Epílogo do Arco 3 (e 3.1)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Epílogo do Arco 3 (e 3.1)

Mensagem por Samyaza em Sab 11 Jan 2014, 19:58

Dia  15 do mês de Selimon, Verão
A comitiva de Ramiro Guliorm chega a Seviala pela manhã, Leopoldo ainda recebe bons tratos mas fica detido num dos quartos da torre de Ramiro.  A noite Leopoldo é visitado por Jered em seu quarto, o general o interroga sobre os papéis, principalmente se o sacerdote seria capaz de lê-los, além de perguntá-lo sobre o paradeiro de Baltazar, o sobrinho de Irvem.

Diante das respostas negativas de Leopoldo, Jered se irrita deixando claro não o libertaria e apenas não o tiraria a vida ainda por respeito a um outro sacerdote de Selimon que o ajudou em momentos difíceis. Jered avisa a Leopoldo que ele irá acompanhá-lo numa viagem desdenhando de que Leopoldo, como servo de Selimon, terá muito o que fazer em Lubliama, local para onde estariam indo.

Uma tropa de aproximadamente 200 homens comandados por Jered parte de uma vila afastada de Seviala em direção a Lubliama, Leopoldo, cativo, é forçado a acompanhá-los.

Dia 18 do mês de Selimon, Verão
As tropas verrogaris chegam a fronteira com Lubliama, um acampamento é montado e Jered recebe algumas visitas vindas de Lubliama. Durante a viagem Leopoldo cuida dos poucos feridos pelos acidentes ocasionais da viagem.

Dia 22 do mês de Selimon, Verão
Connor e Sam são capturados por Ricar com a ajuda dos traidores Benjen e Derin. Os prisioneiros são colocados sob os cuidados de Leopoldo, que, enquanto cuidava dos ferimentos ficou sabendo dos últimos acontecimentos em Lubliama.Depois de contar a Sam e Connor sobre como  tornou-se cativo de Jered a dupla explica a Leopoldo a importância dos papéis e como eles poderiam ser usados para salvar Lubliama do ataque, os três então começam a pensar numa forma de fugir do acampamento.

Dia 24 do mês de Selimon, Verão
Alastor e Halt são chegam na prisão de Xartas Krum, na Lutrúcia.

Sam e Connor continuam prisioneiros no acampamento verrogari e tramam com Leopoldo uma fuga.

Firiom tenta fugir com Najila do Templo de Pedra para procurar Náin mas são atacados por anões fiéis a Archibald e levados de volta para o Templo.

Archibald considera que o Templo tem sido usado como foco de resistência ao seu poder em Lubliama e decide encerrar suas atividades proibindo Norne de realizar qualquer atividade religiosa,  chamando Glóin, Firiom, Najila, Norne e qualquer um que simpatize com eles de insurgentes ameaçando-os de morte caso ousassem sair do templo.  Uma tropa é colocada de prontidão nas saídas do templo para evitar que qualquer um deles saia.

Por perspicácia de Norne, ele oculta Argrim no templo e convence Glóin a usá-lo, já que nenhum dos demais poderiam sair dali, sendo humano e tendo Korbaldi como guia o guerreiro poderia ajudá-los a ter informações do lado externo e talvez até reunir alguns poucos anões que ainda pudessem ser fiéis a Rarurg e Náin.

Dia 25 do mês de Selimon, Verão
Em Chipara Calion conhece Mirina e Uther decide abandonar o grupo. Baelor convence o sacerdote Marad a enviar ajuda para o pequeno Horic Galdarim.

Argrim e Korbaldi começam a procurar ajuda, no meio da noite, na área dominada pelos humanos, um grupo da guarda da cidade (os mesmos guardas que Argrim conheceu na taverna) os obriga a segui-los até o local da antiga sede da guarda, lá eles encontram Vardem escoltado pelos Cães Verrogaris, o político diz que pode evitar o conflito se conseguisse falar com Glóin.

Depois de algumas negociações Argrim e Korbaldi decidem levar apenas Vardem,  temendo que a proposta de paz fosse apenas pretexto para uma armadilha, relutantes, mas em menor número do que a guarda  os verrogaris aceitam a ideia.

No Templo de Pedra, Vardem encontra Glóin, Najila e Firiom vão contra a ideia e manifestam a vontade de matá-lo ou pelo menos entregar-lhe a Archibald como oferta em troca da liberdade deles. Glóin é contra a sugestão. A proposta de Vardem era simples, Glóin entregaria a adaga e os papéis que comprovariam a traição de Vardem e Norne convocaria Archibald para uma reunião, esta reunião seria uma armadilha, o rei-anão seria feito prisioneiro e Norne ou Gloin poderiam tomar o controle dos anões e convencê-los a evitar a batalha. Gloin é contra a ideia e decide manter Vardem preso, mas não comunicaria Archibald sobre a prisão, Vardem avisa a Gloin que o anão se arrependeria da decisão tomada.

Dia 26 do mês de Selimon, Verão
Pela manhã começam as movimentações das tropas verrogaris, estranha-se o número, menos da metade dos verrogaris que seriam esperados se perfilaram nas proximidades dos portões da cidade, confiantes os anões se organizam nas defesas dos muros.

Aparentemente Baelor, Calion e Pammala falharam em sua missão, Lubliama seria atacada antes que a ajuda pudesse chegar. A batalha só começa a tarde, catapultas e balestras são disparadas contra os muros mas os verrogaris mantiveram  distância dos muros sem que avançassem, os anões disparavam suas armas detrás dos muros.

O primeiro dia de batalha se encerra com poucas baixas entre os verrogaris e quase nenhuma entre os anões, os reforços feitos no muro e a distância tomada pelas tropas verrogaris permitiram que poucos e azarados anões caíssem. Houve comemoração e muita bebida no Antro do Machado e do Martelo.

Dia 27 do mês de Selimon, Verão
É o segundo dia de batalha, os soldados verrogaris avançam com suas armas de cerco enquanto cavaleiros se dividem em dois grupos indo um para cada lado dos muros, a necessidade de movimentar as defesas dos muros e a noite de comemorações regada a cerveja fizeram os anões terem mais trabalho e baixas neste dia de batalha.

Calion, Mirina, Baelor e Pammala chegam a Sensera e decidem ir falar com Alirel ao invés de avisarem ao rei Ausgustu sobre o ataque a Lubliama.

Dia 28 do mês de Selimon, Verão
Na Lutrúcia Irvem procura Alastor e Halt na prisão e faz um acordo de conseguir libertá-los e inocentá-los das acusações desde que eles encontrassem Baltazar que fugira em direção a Lagia para recuperar as anotações deixadas com Hartoz e que atualmente estão com Leopoldo, a dupla aceita a proposta pois não concebe a ideia de serem transformados em esposas de cavalos, punição comum que Xartas Krum aplica a seus prisioneiros.

Em Sensera, o general Karr que suspeitava dos acordos do rei Augustu com Vardem, procura por Calion e Pammala para usá-los como prova das maquinações dos traidores de Lubliama. Recebido com relutância por Alirel, o trio se reúne num salão para negociar. Alirel explica-lhes que talvez fosse melhor ajudar Karr, considerando que é mais provável que ele faça alguma coisa por Lubliama do que o rei, mas em seguida o sumo-sacerdote retira-se.

Em outro cômodo, Pammala e Mirina escondem-se junto com Vírginia, uma mulher mais velha, de aspecto nobre, que foi levada ao templo por Baelor. Depois que Pammala nega-se a ingerir um gole de vinho oferecido por Vírgina, a mulher ataca-a com uma adaga oculta sobre o vestido. Enquanto fazia a elfa de refém a mulher faz uma revelação a Mirina: ela seria sua mãe.

Mesmo em estado de choque Mirina decide defender Pammala, porém, mesmo tendo uma refém a mulher demonstra-se uma experiente lutadora. Virginia oferece então a vida de Pammala em troca de Mirina acompanhá-la, para um conversa, onde poderia explicar-lhe tudo. Curiosa e ainda em choque pela revelação Mirina decide ir com Virgínia. Pammala é liberta e as mulheres saem do templo antes que os outros sacerdotes entendam o ocorrido.

Numa taverna Virginia explica que pertencia a uma guilda de assassinos mas abandonou-a quando casou-se com Itar, anos depois a guilda a procurou novamente e para não colocar em risco sua família ela decidiu ir com a guilda e fingir seu desaparecimento, nem mesmo Itar sabia do seu passado.

Depois de descobrir sobre a tentativa de assassinato de Pammala, Alirel deduz que provavelmente Virginia seria uma espiã do mensageiro de Vardem que chegou antes do grupo ou do próprio Augustu, o grupo então decide cooperar com Karr e seus homens se preparam para rumar para Lubliama.

Dia 29 do mês de Selimon, Verão
Na Lutrúcia, na taverna Ancora de Prata Alastor e Halt discutiam a melhor rota para começar a busca por Baltazar quando um grupo de elfos sombrios adentra o local a procura do mesmo elfo.  Coagida pelos elfos uma atendente revela que a única pessoa que conhecia a prisão era o mesmo encapuzado misterioso que  cuidava dos pombos, ameaçado pelos sombrios ele informa que não sabe do paradeiro do tal elfo mas aponta para Alastor e Halt dizendo que eles deveriam saber.

Os dois são levados para uma caverna e depois de torturas e ameaças informam o que sabiam aos sombrios. Um elfo sombrio deixou o grupo e foi enviado a Lagia e os outros três começaram uma jornada com seus prisioneiros em direção a Lubliama, onde os outros sombrios estavam organizados.

No quarto dia de batalha em Lubliama, os anões pareciam levar vantagem, o dia de encerra sem que os verrogaris avançassem mas durante a madrugada, nas comemorações no Antro do Machado e do Martelo.

Leopoldo, Connor e Sam conseguiram fugir e chegar até Lubliama,  procurando por Glóin descobriram quem era o humano que estava ajudando os prisioneiros do Templo. Argrim os levou até Glóin e eles avisaram que quase metade da tropa verrogari estava se movimentando para os outros portões, do lado humano, os Cães que escoltavam Vardem na verdade estavam na cidade para pegar os vigias dos portões surpreendidos e permitir o avanço das tropas pela parte interna, a notícia chegou tarde demais.

Na mesma madrugada começou o ataque interno, surpreendidos os anões não conseguiram defender  a parte ocupada pelos humanos e rapidamente as tropas verrogaris se estabeleceram, os anões conseguiram apenas montar defesas em seu bairro, mas estavam lutando agoram em duas frentes.

Dia 30 do mês de Selimon, Verão
O dia começou chuvoso, as tropas verrogaris do lado externo começaram a avançar, os anões, agora divididos, pouco puderam fazer e ao final do dia eles já estavam bem perto dos muros, a invasão seria questão de tempo. Archibald ordenou os anões a deixarem os muros e facilitar a entrada dos verrogaris enquanto eles se organizariam nos subsolos da cidade para atacá-los de surpresa, mesmo relutantes, os anões obedecem.

Dia 01 do mês de Sevides, Verão
Os verrogaris invadem os dois lados da cidade, os anões atacam a noite saindo do subsolo mas o resultados são péssimos, numa batalha homem a homem os verrogaris se sobressaíram e antes da madrugada os anões sobreviventes se ocultaram novamente nos sobsolos para se organizar.

Um pequeno grupo de elfos sombrios acompanhados de Benjen e Derin caminham pela cidade a noite e entra no  templo de pedra, em pouo tempo subjugam os sacerdotes e encontram Glóin, Connor, Sam, Argrim e Firiom. Fazendo Najila de refém os sombrios conseguem as adagas e os papéis de Glóin e ainda libertam Vardem que sai, sorrindo e dizendo que havia avisado.

Dia 03 do mês de Sevides, Verão
Lubliama parecia perdida quando Baelor, Calion e Pammala chegam nas proximidades da cidade com o general Karr, suas tropas se organizam e atacam ainda na mesma noite. Uma nova realidade se forma, Karr comanda mais homens e mesmo cansados conseguem avançar sobre os verrogaris que já estavam a dias em batalha.

Alastor e Halt chegam as minas de Lubliama onde os sombrios estavam alojados, lá percebem que os elfos se preparavam para a guerra, sendo considerados dispensáveis o anão e o rastreador levados aos verrogaris quando o grupo de 30 elfos se une aos verrogaris.

Dia 05 do mês de Sevides, Verão
As tropas de Karr avançam e expulsam os verrogaris e sombrios ainda durante o dia a cidade é retomada. A noite as tropas de Jered começam a se retirar e os elfos já não são mais vistos. Apesar da vitória não há comemoração.

Patrulheiros de Karr encontram Alastor e Halt perdidos enquanto procuravam por sobreviventes verrogaris, Vardem também não foi encontrado.

Apesar da vitória não houve comemoração, a cidade estava em ruínas e menos da metade do seu povo havia sobrevivido, Karr tomou as rédeas da organização do local.

Dia 07 do mês de Sevides, Verão
O dia 05 foi marcado como o dia da vitória, quando Lubliama sobreviveu e expulsou os verrogaris. O dia 06 foi marcado como o dia da fogueira, quando os corpos foram empilhados e queimados. Este ficou sendo marcado como o dia do reinício, quando a cidade começou a sua limpeza e reorganização, inclusive tendo o templo voltado as atividades religiosas.

Todos os personagens foram reunidos no Templo e um de cada vez foram enviados a um interrogatório com Karr, misteriosamente ninguém foi capaz de mentir revelando ao general tudo o que havia ocorrido e o que sabiam, um escriba registrava tudo num livro.

Dia 09 do mês de Sevides, Verão
Patrulheiros de Karr foram até o fortim e não o encontraram demolido, não havia sinais de Náin no local, dado como morto, seu velório foi realizado junto com o do seu pai Rarurg, não havia corpos (Náin estava desaparecido e Rarurg havia sido enterrado no terreno dos Galdarim). Najila inconsolável deixou a cidade após o enterro, deixando sua casa e bens para Firiom por tê-la defendido.

avatar
Samyaza
Admin

Mensagens : 1068
Data de inscrição : 04/10/2013
Idade : 32
Localização : Franco da Rocha / SP

Ficha do personagem
Nome: Robert Locksley
Posto: Segundo Tenente
Especialidade: Franco-Atirador

Ver perfil do usuário http://vingadornegro.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum