Primeira parte - A mesa de xadrez está pronta

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Primeira parte - A mesa de xadrez está pronta

Mensagem por Samyaza em Qui 10 Out 2013, 02:20

Enviado por: Samyaza - Monday, September 03, 2012 3:40:41 PM
MARKUS:

Vc calcula estar a quase uma semana nas celas frias e sujas da guarda de Lubliana. Apenas um vigia gordo e porcalhão aparece uma ou duas vezes ao dia lhe trazer alguma comida. A cela é bem menor do que um quarto e fica abaixo do nível do solo da cidade, apenas com uma cama, uma pequena grade que lhe permite ver alguns pés passando durante o dia e que geralmente algum cachorro usa para urinar, fazendo chover mijo em sua cama. O buraco que serve de fossa já fede de forma insuportável com seus excrementos, denunciando que o sistema de água não está funcionando.

Seu animal foi morto, depois da primeira noite uivando ao lado da grade. Os guardas tentaram afastá-lo quando ele avançou sobre um deles quase arrancando-lhe o braço, foi então morto por golpes de lança.

No meio de uma noite fria, quando vc já amaldiçoava o vigia gordo por ele ter esquecido sua comida, vc começa a ouvir passos vindos da escada que leva até o térreo da guarda. Logo vc percebe que a figura que vem descendo as escadas não é o guarda balofo. Um homem coberto com um manto negro se aproxima de vc segurando um lampião.

Ao se aproximar percebe se tratar de Ardras, o antigo capitão da guarda, até agora, dado como morto. Ele chega bem perto das grades da cela e então começa a falar:
Olá Markus, está injustamente preso nesta cela há muito tempo. É hora de vc ganhar a liberdade, mas, para isso, preciso que me ajude. Eu não posso aparecer publicamente, ou serei realmente morto. Mas eu sei onde está Jacus, sei pra onde ele foi levado e sei de pessoas que estarão dispostas a ajudar. O grupo que combateu os verrogaris algumas noites atrás estará em breve partindo, vc precisa levar essa informação para eles. Avise-os de que Jacus está numa prisão há mais ou menos 2 dias de Seviala, indo na direção da Lutrúcia, nos Montes Palomares. Veja, eu tenho um mapa e vou libertá-lo, em troca preciso que vc entregue esse mapa a eles, eles estão na toca de Rarurg.

Após dizer essas palavras Ardras lhe passa um pedaço de pano com alguma coisa encoberta, ao desfraldar o pano vc descobre uma faca e desenhado no proprio pano um mapa.

GRUPO NA CASA DE RARURG:
Rarurg reúne todos vc´s no salão de sua casa para contar do ocorrido. Ele conta sobre a morte de Ardras, a barganha de Vardem e a fuga dos verrogaris e agora deseja saber qual será o caminho que vc´s tomarão.


Enviado por: †_Junior_† - segunda-feira, 3 de setembro de 2012 19:38:23
(tem comidas nesse local? Se tiver, conta a interpretação ai)

Como alguma coisa enquanto escuto o que Rarurg fala e digo:

- Por enquanto, irei onde meus amigos forem. Mas voto em irmos atrás do paradeiro de Jacus. Pena que não temos nenhuma pista ou informação de onde ele esteja realmente.

Enviado por: bcsaulo - segunda-feira, 3 de setembro de 2012 21:21:21
Comento sobre a morte de Ardras - Ele era um guerreiro forte se ele não tivesse se intrometido eu teria arrancado a cabeça de Vardem e nada disso teria acontecido. Quanto aos cães de Jered... - Dou um sorriso "do mal" como se lembrasse de acontecimentos passados, então dou um tapinha na preciosa (espada) e digo - Acho que Ricar terá pesadelos comigo por um bom tempo. À propósito o pequeno tem coragem e está certo, poderemos utilizar seus subterfugios para descobrir o paradeiro de Jacus em Seviala, porém dessa vez eu tomo a frente nas escolhas! - Olho para Glóin- Se tivesse me escutado e saído da casa de Jacus, estaríamos numa situação bem mais confortável agora.

Enviado por: Blanchard - terça-feira, 4 de setembro de 2012 0:16:09
Fico de cabeça baixa, ainda derrotado e perdido, buscando entender como a situação chegou nesse ponto. Mesmo pessimista quanto ao futuro de Jacus, sinto que minha obrigação é a de descobrir todas os pontos da teia formada pela ação de Verrogar e corrupção de Marana.

Só levanto os olhos algumas vezes, olhando para Pammala e sentindo-me um pouco aliviado pela elfa demonstrar não ter sofrido nenhum ataque grave após minha queda...

Enviado por: Ares - terça-feira, 4 de setembro de 2012 10:35:00
-Eu não pretendo ser arrastado pura e simplesmente por uma jornada que não seja a minha, então irei acompanhar vocês até que meus interesses se separem dos seus, o que se eu tiver sorte será depois de encontrarmos Irvem.
Caso tenha algo para beber, tomo um gole enquanto penso.
"E dai minha unica pista é sobre o brasão do Lorde Stefron Dracanarii, ou de um de seus bastardos, isto se o sacerdote estiver certo e se não for uma pista falsa.Por que alguém mataria um elfo tão pacifico como Hartoz."

Enviado por: Vercenorax - terça-feira, 4 de setembro de 2012 16:03:11
Viro-me a Connor e digo-lhe:
Cada cabeça, cada sentença Connor, se Derin não tivesse disparado antes de terminar de falar, nós estaríamos como disse em situação mais favorável. Mas não se preocupe, sua criatividade nos será muito útil como disse. Além do mais, teu pai lhe fez esta imensidão de aço cortante, será prestativo, agora pecha-lhe uma armadura.

Dirigindo-me a Rarurg:
Caro amigo, sei que já abusei muito de sua hospitalidade e de sua boa vontade, mas como bem sabe estamos desarmados, teria armas e armaduras que pudesse dispor?

Enviado por: arabedoido77 - terça-feira, 4 de setembro de 2012 18:20:01
Apenas digo:

bom vim aqui com a missão de investigar os boatos dos fantasmas na mina e preciso dar uma satisfação para nosso Governante. Pretendo ir até o palácio levar pessoalmentente as notícias.

Enviado por: bcsaulo - quarta-feira, 5 de setembro de 2012 10:41:58
- Acho meio perigoso que a Senhora Pammala viaje sozinha. Por que não manda um corvo?

Enviado por: Vercenorax - quarta-feira, 5 de setembro de 2012 10:48:55
Oça Pammala o que vou lhe dizer: Você foi enviada a Lubliama, para ver de que se tratavam os boatos nas minas, constamos de que se tratam de sombrios, mas agora engajamo-nos em algo muito maior, verrogaris estão colocando pessoas de confiança deles em posições importantes dentro do reino, Vardem é um exemplo por excelência. Temos de ir mais a fundo nisso, descobrir o que realmente querem, pois maldito seja Ricar não nos contou. Quando fizermos isto eu mesmo vou com você até a corte em Sensera para que possa falar com o rei.

Olho para Connor:
Um corvo pode ser morto, falcões e águias treinaas podem abatê-los em voo. E o MEU corvo não será dispensado a esta tarefa, façemos como eu disse.

Enviado por: arabedoido77 - quarta-feira, 5 de setembro de 2012 17:55:30
Digo para Glóin:

Toda e qualquer ajuda é bem-vinda. Foram-me dadas instruções para investigar aqueles boatos, mas não foi citado um prazo. Posso esperar um pouco mais e ajudar no que for possível. De minha parte, a proposta está aceita.

Enviado por: Vercenorax - quinta-feira, 6 de setembro de 2012 11:01:10
Assinto com a cabeça e entre um trago e outro respondo:
Muito bem, iremos a Seviala e lá caaremos os malditos Cães e este tal de Irven.

Enviado por: Blanchard - quinta-feira, 6 de setembro de 2012 15:44:35
Penso: Bem, se todos partirão, eu é que não ficarei aqui sozinho. Digo:

Viajar sempre me faz bem. Mas compartilho das preocupações de Gloin. Sem armas, proteção e algumas outras coisas, seríamos presas fáceis.


Ouvimos sobre o sacerdote. Caso ele seja importante pra vocês, seria interessante investigar as ações no templo. Porém, eu não me arriscarei por ele.

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 6 de setembro de 2012 18:36:08
- Sim, o sacerdote de Cruine, Benjen. Ele parecia conhecer Irven Calard bem melhor do que nos.

Enviado por: Samyaza - sexta-feira, 7 de setembro de 2012 13:48:02
GRUPO NA CASA DE RARURG:

Vc´s estavam reunidos no salão de Rarurg, ao redor de uma grande mesa retangular onde tem muita comida e bebida, é nítido que os pratos servidos são variadas, alguns até não muito comuns na cardápio anão, denunciando que Rarurg teve o cuidado de pensar no que cada um gostaria de comer. Frutas, pão, verduras, legumes, porco assado, coxas de galinha, vinho, cerveja, suco de fruta e água estão a disposição e em abundância.

Numa mesa menor, no canto do salão perto da janela e de algumas poltronas tem uma bandeja com fumo e cachimbos.

Rarurg anda de um lado para o outro ao redor de vc´s ouvindo a conversa tossindo entre um trago e outro. Quando Connor termina de falar ele se aproxima da mesa e dá um soco nela balançando alguns copos e jarros que ali estavam.

Um absurdo! Estão vendo pouco! Olhem para vc´s! Olhem bem para vc´s! Vc´s foram derrotados por cachorros! Tinham tempo de organizar uma defesa, de planejar o combate e lutaram como um garotinho que acabara de pegar na espada, dando golpes a esmo! Foram vergonhasamente derrotados e sequer se preocuparam com as consequências dessa derrota! Estão pensando pequeno! Querem vingança, mas perderam no seu território e agora falam de ir na casa do inimigo e vencê-lo? Não serão cães que vão estar lá para morder vc´s! É o exército verrogari em peso, no território deles! Olhem as consequências dos seus atos! Jacus foi sequestrado, a cidade está nas mãos de uma cobra prestes a entregá-la a outro reino, os sombrios desapareceram da forma como surgiram, levaram com eles todas as pistas que tínhamos e um dos seus demonstrou-se um traidor e tbm deixaram que ele fugisse, estão sem armas e armaduras, além dos ferimentos, e meu filho agora é capitão da guarda, acham que Vardem não tem um motivo para isso? Parem e pensem um pouco mais, esqueçam a vingança e pensem com estratégia, há coisas maiores acontecendo enquanto vc´s estão ávidos por um novo combate! Crianças! Parecem crianças!Impetuosos e estúpidos! Veja essa coisa nas mãos do filantiano, acham realmente que Vardem vai deixar ele circular por aí com uma coisa dessas? Ele ainda é fugitivo, Vardem sabe disso e vai ser cruel a ponto de determinar que Náin o prenda se ele for visto nas ruas.

Depois disso ele se cala, percebendo que falara demais e se retira dizendo que tem assuntos a resolver e que volta em breve.


Enviado por: Blanchard - sábado, 8 de setembro de 2012 17:28:25
Olho para Connor com uma cara de satisfação. Me aproximo e digo baixo:

Benjen... Um viva nossa religiosidade e outro para nossa política.

Enquanto como pão e algumas frutas, penso: os anões que se entendam... Tenho minhas informações e posso conseguir ainda mais, apesar da situação ruim.

Começo a beber vinho. Depois de encher o quarto copo, passo pela mesa pequena e arrumo um cachimbo. Rumo para fora da casa e me sento, olhando para o céu, enquanto fumo e bebo..

(Off: Que período do dia estamos Thiago? Eu ainda tenho meu alaúde né?)

Enviado por: bcsaulo - sábado, 8 de setembro de 2012 18:45:52
Quando Rarurg comenta sobre minha espada ser uma coisa. Passo a mão sobre sua bainha dizendo - Calma querida ele não disse por mal - Logo em seguida me levanto e começo a falar mesmo quando Rarurg está saindo - Em primeiro lugar, enfrentei cinco daqueles cães sozinho na estalagem do pai de Sam! Em segundo eu estava ferido há três dias! Depois de proteger o prefeito de zumbis e elfos sombrios... Sem falar do capitão da guarda que fez o favor de me enjaular - Pego a garrafa de vinho e bebo no gargalo, em seguida coloco de volta sobre a mesa e limpo a boca com o antebraço. Logo olho para os outros e comento - O velho Rarurg tem razão, precisamos de mais informações antes de entrarmos numa busca suicida. Precisamos saber quem está do nosso lado e Náin pode ser o fiel da balança para ambos os lados!

Enviado por: †_Junior_† - sábado, 8 de setembro de 2012 21:22:58
Escuto com atenção o sermão de Rarurg. Depois disso, termino minha refeição e pego umas frutas numa vasilha e vou até a mesa de fumo e preparo um fumo de qualidade que meu pai me ensinou quando eu era pequeno. Após isso, sigo Calion até fora da casa e sento ao seu lado. Ofereço o fumo a ele e digo:

- Meu pai costuma fazer isso para mim, mesmo eu não apreciando. Experimente e veja se é bom.

Começo a comer uma das frutas da vasilha e falo:

- Calion, quais seus objetivos? Você me parece ser um nobre elfo e uma ótima pessoa. Mas ainda não sei o que pretende e o que pensa de nós.

Continuo a comer a fruta aguardando uma resposta.

Enviado por: Blanchard - sábado, 8 de setembro de 2012 23:30:39
Quando Sam se aproxima e me oferece o fumo dou uma boa risada e digo:

Definitivamente, os pequeninos sabem como viver a vida.

Claro que não perco tempo e, antes de responder aos questionamentos, fumo bastante e com o vinho já me deixando mais alegre digo:

Sou somente um tolo Sam, do tipo que segue acreditando na infinidade das noites, nos beijos da chuva, nas viagens dos ventos e nos amores de luas cheias.
Meus objetivos se misturam entre religião, prazer e conhecimento.

Quanto a vocês, ainda não sei bem o que pensar. Veja, não imaginava que um pequenino como você pudesse se sair melhor em combate que o grandalhão... Haahhahaha.. Além do mais, de agora em diante, você está proclamado como preparador oficial de fumo.. Hahah..
Bem, preciso destacar Pammala? Afinal, encontrar uma parente é sempre muito bom, você me entende...

Mas me diga Sam, você gosta de arte? Conte-me sua história, só espero que ela seja menor que sua bravura... Hahahah...

Enviado por: †_Junior_† - domingo, 9 de setembro de 2012 0:19:40
Sorrio e respondo:

- HAHAHAH, não sou melhor que Connor em combate, sou apenas menor. Costumam ver ele primeiro e nem se lembram do pequenino. Isso pode ser a ruína de muito inimigos.

Reflito um pouco e falo:

- Imagino sim o que você quer dizer quanto a encontrar uma parente, principalmente uma dama hein? HAHA

Faço uma pausa e digo:

- Aprecio muito a arte. Veja isso.

Pego minha gaita e digo:

- Com meus pais, aprendi tudo que sei hoje. Meu pai me ensinou tudo sobre as artes do subterfúgio e minha mãe me ensinou como tocar essa gaita. Veja só.

Levo a gaita aos lábios e toco uma música suave.

Enviado por: Ares - domingo, 9 de setembro de 2012 12:05:32
Fico sentado pensando em como fui idiota e como comprometi as minhas chances de descobrir quem matou meu mestre, pego uma fruta e começo a comer ela.

Enviado por: Blanchard - domingo, 9 de setembro de 2012 16:59:43
Quando Sam termina de tocar aplaudo de pé dizendo:

Muito bem, já gosto mais de você que de muitos elfos que conheci.
Quando tudo estiver mais esclarecido, faremos uma disputa, quem sabe na taverna aqui mesmo de Lubliana: tocamos por algum tempo e depois comparamos quem mais conseguiu companhia para a noite. O que me diz? Evidentemente, teremos que excluir as meretrizes, porque acabei conhecendo a maioria delas.. Hahaha...

Sinto-me feliz por aliar-me a alguém como você.

Enviado por: Vercenorax - domingo, 9 de setembro de 2012 18:15:56
Digo aos outros que estão na sala depois Rarurg sai:
Pensemos meus caros, o que há para se ganhar com a destruição do reino de Marana? Vardem poderia ter terras, riquezas e honrarias, isto é o que a maioria das pessoas que se envolvem em intrigas e conflitos como esse. Mas há algo além disso, algo muito mais obscuro. Náin é um bom rapaz, teria ele meios de nos informar certas movimentações, dar-nos dicas-chaves? Que os deuses nos protejam, pois a guerra se aproxima!

Enviado por: bcsaulo - segunda-feira, 10 de setembro de 2012 8:36:10
- Espero que Náin tenha aceitado ser capitão da guarda, como estratégia para ficar mais perto do inimigo e vigiá-lo! Vardem concerteza usou dessa estratégia perigosa para ganhar o apoio dos anões, mas isso é uma faca de dois gumes, pois não vejo outro motivo para que Vardem coloque como guarda de confiança o filho de seu maior desafeto na cidade, seria arriscar demais.

Me levanto da poltrona e vou até a janela receber um pouco de ar fresco/quente no rosto e então digo:

Vardem não me parece que arriscaria sua segurança sem ter um plano sólido. Então se levarmos em consideração que Vardem se aliou com os sombrios, e que eles conseguiram dobrar a vontade de Benjen com feitiçaria, não me seria estranho Náin estar enfeitiçado, Rarurg possui o apoio dos mais velhos, contudo é provável que Náin exerça alguma influencia nos anões mais jovens e mais vulneráveis a feitiçaria. Após esses incidentes recentes envolvendo os Verrogaris, se torna evidente que o reino queira se apropriar do minério produzido por Lubliana. E a única força que impede tal ato é a presença massiça dos anões. Ao que me parece Vardem quer dividir os Anões, colocar uns contra os outros, parte de seu plano envolve Náin...

Paro de falar por alguns instantes volto a mesa pego a garrafa de vinho pelo gargalo para tomar mais uns goles e então volto a falar:

- Sabe o que eu acho? Só se combate feitiçaria com mais feitiçaria.

Olho em direção a Elfa e digo:

- Dona Pammala, conhece algum feitiço que possa dobrar a vontade? Já vi você encantar homens hostis, tornando-os mais amistosos. Mais existe outra magia para guebrar esse encanto?


Enviado por: Vercenorax - segunda-feira, 10 de setembro de 2012 10:45:29
Se Náin estiver enfeitiçado, espero que não, só podemos saber se falarmos com ele. Rarurg disse que voltaria em breve, vamos esperar para ver o que acontece.

Enviado por: Blanchard - segunda-feira, 10 de setembro de 2012 16:52:04
Digo:

Hey Sam, o que acha de irmos buscar mais vinho?

Começo a voltar para a casa devagar, esperando a resposta do pequenino..

Enviado por: arabedoido77 - segunda-feira, 10 de setembro de 2012 20:28:22
Apenas como alguma coisa ainda pensando na bronca que tomamos.

No fim, apenas concordo.

O pior é ter que admitir que ele tem toda a razão. Apanhamos feio e se não fossem os reforços, seríamos um grupo de cadáveres. Comida para cães, para ser exata. Concordo plenamente que agora o que precisamos é de planejamento.

Consideremos apenas novamente a possibilidade de encontrar o Governador e levar as notícias parciais. Pode ser que ele possa prestar alguma ajuda. Não entendo dessas coisas de guerra, mas é pelo menos certeza que ele não ficaria de braços cruzados para as notícias de sombrios e verrogaris por aqui.

Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 11 de setembro de 2012 7:44:27
- Então ficaremos parados e esperamos que as coisas aconteçam? - Digo para Glóin - Como vai fazer para descobrir se Náin, está enfeitiçado? Não seria melhor falar com um sacerdote?

off: Thiago há algum sacerdote anão em Lubliama?

Enviado por: Vercenorax - terça-feira, 11 de setembro de 2012 9:41:45
Não, Connor não ficaremos parados, já esperamos demais.

Levanto-me e vou atrás de Najila, quando me encontrar com ela digo:
Najila, poderia me arranjar pena e tinta? Tenho algo que escrever para Archibald e Norne.

Se Najila me prouver pena e tinta escrevo o seguinte:
Cabeleira-de-Prata, temo que uma hora escura se aproxima, temos de nos reunir, venha a casa de Rarurg assuntos urgentes a tratar. Sob o machado de Blator, Gloin filho de Groin.

Enviado por: †_Junior_† - terça-feira, 11 de setembro de 2012 10:12:44
Termino de comer as frutas da vasilha, olho para Calion e digo:

- Sim, vamos.

Retorno para dentro da casa para pegar mais vinho. Quando entro, pergunto a Connor:

- Mestre Connor, foi decidido o que iremos fazer?


Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 11 de setembro de 2012 10:29:08
- Ao que parece Glóin vai convocar uma reunião, temos algumas suspeitas Sam.

Enviado por: Samyaza - terça-feira, 11 de setembro de 2012 14:29:49
GLOIN:

Sem dizer uma palavra Najila lhe traz o material solicitado, seus olhos porém, deixam claro uma aflição comum de uma mãe e esposa que se preocupa com seu filho e marido. O silêncio é quebrado por apenas duas frases:

Aqui está o que me pediu, não me é permitido interferir nos assuntos dos machos de nossa espécie, porém, peço que perdoe o comportamento de Rarurg ele está preocupado, os anões o pressionam por ter entregue de bandeja a cidade nas mãos do outro, esse tal Vardem.

Esse Vardem, para fazer política convidou Náin para ser capitão da guarda e Náin aceitou, a contra gosto de Rarurg, para ajudar o pai. Agora Rarurg vive atormentado, alguns anões querem tomar a cidade e se isso acontecer, caberá a Náin impedi-los ou trair o juramento que fez quando assumiu a guarda. Rarurg não quer que nenhuma dessas coisas aconteçam. Bem, já falei demais, aqui está, não diga nada a Rarurg sobre o que falei, por favor.


CALION:
Ainda do lado de fora da casa, antes que vc feche a porta, dois guardas se aproximam e falam, com voz um pouco elevada, para vc e Sam:
Ei! Vc´s dois! Parem!

Enviado por: †_Junior_† - terça-feira, 11 de setembro de 2012 15:49:31
Olho para os guardas e digo:

- Opa senhores, o que desejam?


Enviado por: Vercenorax - terça-feira, 11 de setembro de 2012 16:12:07
Digo a Najila:
Não há o que temer Najila, eu nem estive a falar com você. Me entende, mas caso tenha de haver uma escolha, diga o seguinte: "O sangue fala mais alto!"

Depois de ter tudo escrevo o que postei no poste anterior e mando a Norne via Röac.

Enviado por: Blanchard - terça-feira, 11 de setembro de 2012 16:40:00
Olho para Sam com desconfiança. Depois digo para os soldados também alto, para que os outros escutem:

Olá, algum problema? Precisam de algo? Quem sabe, música? O pequenino e eu podemos formar uma boa dupla de improvisação.

Fico próximo da casa, para se necessário abrigar-me dentro dela.

Enviado por: Samyaza - terça-feira, 11 de setembro de 2012 16:53:30
CALION E SAM:

Sam vc reconhece um dos guardas como sendo um dos guardas que estavam com Ardras na casa de Jacus.

Os guardas se aproximam e se demonstram apreensivos, olhando para os lados eles dão alguns passos mais próximos e um deles começa a falar as pressas.

Estamos sob os ordens de Náin, somos fiéis a Lubliama e ao espírito do antigo capitão Ardras e não a este regente que governa a cidade. Náin pediu-nos para avisar a vc´s e aos seus amigos de que Vardem realizará amanhã pela manhã a cerimônia onde Náin assume oficialmente a guarda da cidade, será uma cerimônia aberta, para todo o povo e em seguida ocorrerá o cremação do corpo de Ardras. Vardem conversou com Náin e ele faz questão de que os amigos de Ardras estejam presentes, com local adequado.

Ele respira um pouco,passa para Calion um papel com o desenho de Connor e prossegue ainda acelerado.

Náin suspeita tratar-se de uma armadilha, hoje a noite Vardem mandou espalhar cartazes de procurado, neles tem um desenho e a descrição de um dos seus amigos, aquele que fugiu das celas. Há uma recompensa e a ordem é de prisão. Náin acredita que o convite para a cerimônia é apenas para fazer com que o grandalhão apareça. Vardem sabe que ele foi vista falando com um anão algumas vezes e que ele anda portando uma espada gigante. Náin recebeu ordens de amanhã, enquanto ocorre a cerimônia, uma destacamento ir até este anão e aprisioná-lo para interrogatório.

Agora precisamos ir, usem com cuidado o que dissemos isso pode custar muito a Náin.


GLOIN:
Emocionada Najila dá-lhe um abraço enquanto Roäc voa pela janela.
avatar
Samyaza
Admin

Mensagens : 1038
Data de inscrição : 04/10/2013
Idade : 32
Localização : Franco da Rocha / SP

Ver perfil do usuário http://vingadornegro.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum