Décima quarte parte - Em pratos limpos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Décima quarte parte - Em pratos limpos

Mensagem por Samyaza em Qui 10 Out 2013, 01:37

Enviado por: Vercenorax - sexta-feira, 30 de março de 2012 10:55:43
Chegando à taverna digo:
Lugar este muito confortável, meu caro amigo Rarurg. Veja, lá estão Archibald e Cletus, vamos até eles.

Chegando a mesa onde eles estão sentados, digo, puxando uma cadeira:
Ave Archibald, a quanto não o vejo meu bom amigo, é bom vê-lo ainda em forma. Como estão as coisas?
Faço um meneio com a cabeça a Cletus, já o vi hoje mais cedo.


Meu corvo está aqui?

Enviado por: arabedoido77 - sexta-feira, 30 de março de 2012 13:09:05
Ao ouvir o que Sam me fala, lanço um olhar sério para ele e respondo:

Não sei o que você andou aprontando por aí e prefiro não ficar sabendo certos detalhes. Cheguei a desconfiar de algo quando voltou sem as frutas que disse que iria pegar, mas preferi ficar calada na frente do Sacerdote. Já que o livro está aqui, vou ver se ele pode ser de alguma utilidade, mas depois vou pedir para devolvê-lo ao lugar onde estava. A última coisa que quero é confusão com os nobres.

Paro para pensar um pouco e continuo:

Ainda não sei o quanto isso tudo é suspeito. Eu também estou com o livro de encantamentos de uma elfa sombria. Se tirarmos esse fato do contexto e não levarmos em conta a forma como ele chegou até minhas mãos, seria algo bem suspeito, digno até de me prenderem. Mas vamos ver o que temos aqui.

Continuo a analisar o livro que recebi.

Enviado por: †_Junior_† - sexta-feira, 30 de março de 2012 18:39:26
Dou um sorriso nervoso para Pammala após a reprimida e digo:

- Não foi nada bonito o que eu fiz realmente senhorita, mas eu tinha um palpite e corri atrás. Eu não desconfio de Jacus, mas senti vontade de entrar em seu quarto e apenas averiguar. Penso que talvez esse livro possa ter sido colocado estrategicamente lá para incriminá-lo.

Faço uma pausa e digo:

- Não se preocupe Pammala, ninguém me viu entrando ou saindo do quarto, e deixei tudo como estava. Quando você terminar, eu boto o livro no lugar dele sem ninguém ver também.


Enviado por: Samyaza - segunda-feira, 2 de abril de 2012 15:05:43
PAMMALA E SAM:
Ao observar o livro que Sam trouxe vc percebe que ele possui as mesmas inscrições ´rúnicas e ideogramas do livro que estava com a Sombria, a diferença entre eles é que também existem textos em élfico disposto de forma parecida com a de um mostruário com uma imagem e na lateral um texto explicativo sobre o seu significado. Vc possui quase certeza de se tratar do livro necessário para a tradução do livro da sombria, diante disso, uma nova pergunta se inquieta em sua mente: Porque este livro estaria com ela?

Enquanto Pammala observa o livro com uma expressão de curiosidade e intriga, vc nota que o sacerdote olhava curioso para vc´s ouvindo a conversa enquanto arrumava seus pertences. Algums minutos depois que vc entregou o livro a Pammala batem a porta que é imediatamente aberta, a governanta gorda fala:
Tem um anão lá embaixo com a carruagem do sr. Jacus que diz estar querendo falar com vc´s, ele traz consigo um homem morimbundo. O que diabos vc´s estão tramando?


CONNOR:
Vc acorda sentindo frio, seu corpo ainda está dolorido e vc se vê deitado numa cama feita de pedra. A sala onde vc está é pequena, escura, fria e úmida, a sua frente grades lhe apresentam o isolamento e a solidão, na parede atrás da cama uma pequena janela com grades permite que tímidos raios de sol entrem. No canto oposto ao da cama um pequeno buraco no chão exala um cheiro forte de comida estragada e fezes, observando o burado vc percebe tratar-se de uma vala, onde ratos dançam e se banqueteiam disputando os restos de comida. próximo as grades um prato velho, sujo e amassado está vazio ao lado de uma caneca tão velha e suja quanto o prato.


GLOIN:
Assim que vc fala, uma voz imita suas palavras, Roarc voa do balcão onde estava empoleirado até seu ombro. Assim que vc cumprimenta Archibald ele bate forte a caneca na mesa fazendo espirrar cerveja por todo o canto, ele se levanta com um sorriso e abre os braços para recebê-lo:
Gloin, Gloin, Gloin mal chegou a cidade e já está atolado até o pescoço de confusão!?? Como vai meu irmão? Venha, vamos sentarnos e beber, quero ouvir de vc como acabaram com aranhas e elfos. Cletus não tem a sua oratória para narrar assuntos como esses!!!

Enviado por: bcsaulo - segunda-feira, 2 de abril de 2012 15:34:58
Tento levantar com dificuldade e seguir em direção as grades. Chegando observo o ambiente do outro lado das grades até onde meus olhos alcançarem, observo também como é feita a grade. Junto o prato e o copo do chão e verifico a sua dureza. Depois irei até a janela e tento olhar do lado de fora. E então passo a caminhar pela sela a procura de algo que chame a atenção.

[1d20] dados de observar caso precise.

Off: Thiago, foram feitos os primeiros socorros em mim? Recupero quantos pontos de EF por dia?

Enviado por: Samyaza - segunda-feira, 2 de abril de 2012 15:51:27
CONNOR:
Vc está sem sua armadura e armas. Observando através das grades vc percebe que existem pelo menos umas oito selas com a sua dispostas quatro a quatro por um corredor, a sua esquerda o corredor se abre formando um T uma tocha bem no meio ilumina o local, a sua esquerda uma escada sobre para um andar de cima. Olhando pela janela vc percebe que está abaixo do nível da rua, é possível ver as pernas das pessoas que passam próximas a janela. As grades são feitas de metal, provavelmente aço (off: não sei se é isso que usavam na época, caso não seja, é o metal que comumente é utilizado para construir grades). O copo é feito de argila e o prato de alumínio.
Faça um teste de Engenharia.

Enviado por: Vercenorax - segunda-feira, 2 de abril de 2012 15:54:50
Vou até ele e lhe dou um grande abraço. Depois sento-me e digo em voz alta:
Taverneiro, um caneca de uísque! Dou uma pausa para a chegada do uísque e retomo:
Vamos esperar pela chegada de Náin, para começarmos. Mas até lá, diga-me Archibald, como estão os corvos em se tratando de números?

Mestre só por contexto da minha próxima fala, em que estação estamos?

Enviado por: arabedoido77 - segunda-feira, 2 de abril de 2012 17:25:49
Olho para a governanta com ar amigável e digo em vos tranquila:

Acredite, senhora, que não tramamos nada. Esse elfo é um dos integrantes do grupo que estava conosco e ia sendo morto em um ataque que sofremos. Não podemos esclarecer muito mais, mas por favor confie que depois a senhora saberá de tudo.

Depois, viro para Sam:

Poderia acompanhar o Sacertote? Acho melhor ficar aqui para terminar de analisar este material. Quanto menos interrupções, mais cedo conseguirei a resposta para o Senhor Jacus.

Depois, pego o livro da sombria e o que Sam trouxe, papel e pena e começo a tentar a tradução do grimório. vou com atenção para detalhes sobre as descrições de efeitos se algum deles se encaixa com o que foi feito com Jacus.

Enviado por: †_Junior_† - segunda-feira, 2 de abril de 2012 19:20:23
Olho para Pammala e falo:

- Tudo bem senhorita, irei acompanhar o sacerdote. Espero que tenha sucesso na sua pesquisa. Até mais.

Me viro para a governanta e digo:

- Não se preocupe, mas por enquanto você realmente terá que confiar em nós, e logo saberá de tudo. Por favor, leve eu e o sacerdote até a carruagem.


Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 3 de abril de 2012 7:40:02
[1d20] dados de Engenharia

off: vc nao disse se eu fui medicado!?

Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 3 de abril de 2012 10:24:05
off: Da pra passar o copo pela janela?

Procuro na cela algo para riscar o copo de argila (se der usarei o prato). Vou escrever a frase em lingua da pedra "MV tem o apoio de SA. Ele contou-me que GR planeja usurpar o lugar de SJ. Estou preso. RC". Escrevo abaixo das iniciais uma seta apontando no sentido contrário. Depois de rabiscar no copo ficarei de vigia na janela e quando passar um anão (acho que conheço pelo tamanho das pernas) tento chamar a atenção dele falando na língua dele - Irmão, irmão... tenho uma mensagem para Rarurg - Se ele parar passarei a caneca pela janela - Leve até ele.

Enviado por: Samyaza - quarta-feira, 4 de abril de 2012 15:56:51
GLÓIN:
Off: estamos no final da primavera. Agora é minha vez de perguntar, onde posso ler sobre o hábito de criação de corvos, fico perdido nessa parte?

Archibald lhe retribui o abraço e logo puxa-lhe uma cadeira e então senta-se:
Vão indo muito bem, se continuar assim, logo a produção terá aumentado em 50%. Mas não me parece apenas uma curiosoidade pra matar o tempo até a chegada de Náin, está pretendendo alguma coisa?


PAMMALA:
Sam sai da sala e vc retoma os seus estudos, não é muito difícil para vc se acostumar em ler uma coisa num livro e buscar a informação em outra, na verdade, vc até se sente bem familiriazada, lembrando-se das extensas horas de pesquisas quando ainda era uma aprendiz. Se tivesse mais tempo poderia facilmente traduzilo para o elfico ou o malês sem grande dificuldades.

Faça um teste de Misticismo.


SAM:
Vc´s desce as escadas em passos apressados, o sacerdote tem dificuldade de acompanhá-lo, chegando na parte detrás da casa de Jacus, Náin já aguardava ansioso, ele cospe o fumo que mastigava assim que avista vc´s. A porta da carruagem já estava aberta quando ele segura Derin pelo braços e começa a puxar seu corpo:
Vc apenas vai abrindo caminho Sam. Deixe que este sacerdote me ajuda a carregar o elfo. Pensei que o outro sacerdote estivesse com vc´s.


CONNOR:
Um homem de estatura normal até conseguiria passar pela janela se ele conseguisse retirar as grades, mas vc é muito maior e provavelmente teria dificuldade. Os traços na caneca são imprecisos e desajeitados. Após quase uma hora, vc já tinha chamado alguns supostos anões, mas aparentemente nenhum deles lhe dera a devida atenção até que um lhe responde enquanto pega a caneca:
Mensagem? numa caneca? É para o Líder da Liga dos Forjadores correto? Ele vai me recompensar por isso?

Enviado por: Ares - quarta-feira, 4 de abril de 2012 16:03:01
Off:Por que todo mundo confunde o Derin com um elfo?Mesmo ele sendo treinado por um mestre elfo ele é um humano.

Enviado por: bcsaulo - quarta-feira, 4 de abril de 2012 16:10:32
Quando o homem pega a caneca, falo - Sim ao líder dos Forjadores, faça chegar até suas mãos e será recompensado.

[Tomara que dê certo]

Depois que o individuo for embora vou até a grade da cela e tento verificar se tem alguém nas outras celas. Senão bato com o prato nas grades para chamar a atenção de qualquer um que estiver de guarda.

Enviado por: arabedoido77 - quarta-feira, 4 de abril de 2012 16:29:45
Ok, Dado para Misticismo.

[1d20]

Enviado por: Vercenorax - quinta-feira, 5 de abril de 2012 10:53:44
Off: Use semelhante a criação de pombos correio. Samyaza quando me referir a ideias para os anões que não estão nos livros de amientação usarei aspas.

Digo a Archibald:
NÓS pretenderemos algo meu amigo, algo que só será conseguido com a cooperação mútua de nossa raça, "pelas Doze Tábuas de Pedra*"!

*Leis principais dos Anões.

Enviado por: †_Junior_† - quinta-feira, 5 de abril de 2012 11:48:34
Aceno animado para Nain ao me aproximar dele, e pergunto:

- Como está nobre Nain? Onde estão os outros anões, e o mestre Connor?

Depois disso, respondo a pergunta:

- O senhor Benjen foi até o templo, mas até agora não retornou.

Após isso, vou retornando para casa na frente dos outros dois, levando-os até o quarto de Pammala:

- É por aqui Nain, venha.


Enviado por: Samyaza - quarta-feira, 11 de abril de 2012 18:25:29
DERIN:
off: desculpe-me meu amigo, com o capuz sempre tenho a impressão de ser um elfo, na verdade estou só cedendo a mania que temos de estereotipar as coisas, como o Garruk do grupo 2 que sempre vejo como guerreiro e não como ladino por ser anão. Vou corrigir o erro anterior e tentar não errar mais, ou então, se não der certo, te transformo em elfo, pode ser?

CONNOR:
Faça um teste de persuasão por favor.

PAMMALA e SAM:
VC percebe que o conteúdo do livro fala sobre possessões, invocações transmutação e viagem astral, aparentemente não há nada referente ao estado de Jacus, vc tem certeza quase absoluta disso, apesar de vc não ter tido tempo de ter lido o livro completamente.

Antes que vc chegue a alguma conclusão, Sam, Náin e o sacerdote chegam carregando Derin. O sacerdote diz, já cansado:
Ali, ali, coloque-o sobre a esteira. Ele está muito ferido, acho que devo usar um dos meus unguentos nele.

Náin diz:
Que seja, preciso encontrar meu pai e padrinho. Senhora Pammala, Sam, com sua licença estou me retirando. Acredito que logo Ardras e os demais chegarão com o corpo de Jacus, estejam preparados.

GLÓIN:
Archibald franze as sobrancelhas sem entender e diz curioso e entusiasmado:
Do que está falando Glóin? Nós, seríamos vc, eu, Rarurg e Cletus, ou os anões de Lubliama?

Enviado por: †_Junior_† - quinta-feira, 12 de abril de 2012 0:13:07
Olho para o sacerdote fazendo os curativos e cuidados em Derin e digo:

- Se precisar de alguma ajuda, é só pedir ok?

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 12 de abril de 2012 7:52:52
[1d20]

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 12 de abril de 2012 7:53:49
Off: Pode tentar denovo com dificuldade maior?? Se possivel vo jogar logo.

[1d20]


Enviado por: Vercenorax - quinta-feira, 12 de abril de 2012 10:47:33
Digo a Archibald:
Primeiramente NÓS, (faço um gesto nos indicando) depois TODOS. Acalme-se um pouco, Náin já deve estar chegando, e daí poderei explicar detalhadamente minhas intenções.

Enviado por: Ares - quinta-feira, 12 de abril de 2012 16:29:21
Off:Realmente na imagem tem uma aparência mais elfica mesmo.Mas como o capuz cobre as orelhas não da pra dizer pela imagem se é ou não é.Acho que transformar num elfo não seria legal.

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 12 de abril de 2012 20:12:49
TODOS:
aguardando o arabedoido, amanhã posto;

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 12 de abril de 2012 20:47:19
off: o arabe ta viajando axo q so volta a postar daqui a duas semanas.

Enviado por: Samyaza - sexta-feira, 13 de abril de 2012 16:21:32
SAM E PAMMALA:
Deixei todas as coisas preparadas, não precisarei de ajuda, peço apenas que fique por perto e descanse, já que comaçarei os tratamentos, vc será o próximo até que cheguem com o corpo do lorde Jacus.

O sacerdote retira a roupa de derin e pega um pote com uma massa viscosa e escura. Com uma colher ele espalha essa pasta pelos ferimentos enquanto profere algumas palavras. Logo após ele pega um pequeno recipiente em forma de cone, segura a cabeça de Derin com as mãos enquanto o faz ingerir um líquido de cor azul esverdeada. Em seguida ele pega um objeto parecido com uma lanterna, feito de metal e com buracos ao redor. em suas extremidades pequenas correntes permitem ele se balançar como um pêndulo. O sacerdote pega um pouco do unguento viscoso e coloca num potinho dentro do defumador enquanto acende um pouco de óleo. Em pouco tempo uma fumaça com forte cheiro de cânfora toma todo o quarto.

Deite-se agora pequenino, vou cuidar dos seus ferimentos.

O Sacerdote começa a repetir os procedimentos feitos com Derin e quando ele começa a entoar seus cânticos vc adormece num sonho profundo e tranquilo.


GLOIN:
Antes que vc pudesse terminar a frase Náin aparece descendo as escadas do antro. Ele se aproxima com uma expressão preocupada, cumprimenta alguns anões que estavam no local e pede uma garrafa de vinho antes de aproximar-se da mesa. Ele cumprimenta Archibald e Cletus e depois senta-se.

Deixei Derin na casa de Jacus como o combinado, estavam lá a elfa e o pequenino, o sacerdote Benjen não estava entre eles e nenhum sinal de Ardras, Vardem e seu amigo humano pela cidade. Não sabemos onde pode estar Jacus agora e a cidade está esquisita, ouvi boatos de um prisioneiro louco proferindo bobagens aos anões que passam perto de cadeia.


CONNOR:
O anão sai com a caneca na mão sem dizer-lhe se vai realmente entregá-la ou não. Após alguns minutos batendo com o prato na cela um homem vestido com roupas maltrapilhas da guarda, muito gordo e nitidamente descuidado com sua aparência pelo estado da roupa e barba e cabelos grandes e desgrenhados aparece dizendo com uma voz grave e esbravejante:
Se não me der um bom motivo para essa balbúrdia vou chicoteá-lo!!!

Enviado por: bcsaulo - sábado, 14 de abril de 2012 9:24:02
Quando o homem chega me afasto da grade devagar seentindo dor em cada centímetro do meu corpo e digo - Escute, tenho um recado para Vardem, diga-lhe que eu estou disposto em dizê-lo o que aconteceu nas cavernas, e quem nos contratou para vir aqui. Faça isso, pedirei para que ele o recompense.


Persuasão

[1d20]

Enviado por: bcsaulo - domingo, 15 de abril de 2012 10:09:01
Off: Corrigindo o post anterior, e Ardras nao vardem.

Enviado por: Vercenorax - domingo, 15 de abril de 2012 19:01:57
Então com Náin sentando-se à mesa digo em voz baixa:
Posso agora expor minhas cartas, meus amigos e afilhado, mas devem saber que isto é crucial, e que pelas Doze Tábuas de Pedra isto não pode chegar ao ouvido daqueles que não são de nossa raça, e aos nossos somente sem dar nas vista. Dou uma pigarreada e retomo a narrativa:Vou do início se vós já não sabes Archibald, Cletus se não te contou, eu conto, nas minas encontramos elfos sombrios controlando aranhas gigantes, e por sua sorte Cletus, quando saiu não se demorou muito e nosso acampamento sofreu um ataque do mesmos, os soldados de Jacus morreram todos, e sobraram apenas os nossos, Jacus, Vardem e Ardras. Eu mandei Connor com Ardras e Vardem, para levarem Jacus, pois este sofreu algo por um feitiço de uma maldita elfa sombria, os outros estão, penso eu a salvo na casa de Jacus, e Derin que foi gravemente ferido sendo tratado.
Paro para que assimilem, bebo um trago de vinho e prossigo:
O que quer dizer Archibald e Cletus, é que os corvos voem. Os nossos deverão saber de ante-mão que tais criaturas lascivas como os sombrios, estão nas minas, para que se armem, e se preparem para caso haja uma eventual guerra, o que tenho por quase certeza, como disse o sombrio nas minas, mas como sabem, o amor dos nossos nutrido por Vardem, é o mesmo nutrido por uma ratazana doente, teremos dois terços de Lubliana e dos Palomares conosco, ao menor sinal, estaremos unidos e em combate. Os anões devem ser convocados as armas para que nã sejamos pegos de surpresa, as colheitas devem ser feitas os rebenhos guardados, não podemos nos susceder ao deslize e descuido, nem mesmo os homens devem saber disso nossas movimentações precisam ser secretas e escondidas por motivos qualquer, estamos perto das Festas de Outono, usemo-nas como desculpa para nossas atividades. Silencioso como Rocha meus caros, como ROCHA. Compreendem.

Enviado por: Vercenorax - domingo, 15 de abril de 2012 19:07:29
Paro a narrativa de meus intenderes e digo:
Cletus, acho por extrema importância adverter-te, Ardras suspeita que foi você a maquinar com os elfos sombrios sobre onde estávamos, e Vardem certamente mandará homens em tua busca, para que minta, então como já disse a Rarurg e Náin, saiba que não estará só, TODOS estaremos contigo, os martelhos machado e besta, estarão do teu lado. Levo a mão a testa com se estivesse esquecido de algo e digo:Também devemos reter os nossos que fazem parte da Patrulha da Cidade, eles devem estar em tempo integral defendendo os nossos aqui nesta parte de Lubliana.

Enviado por: Samyaza - sexta-feira, 20 de abril de 2012 17:43:06
CONNOR:
Após quase meia hora vc escuta os passos barulhentos e pesados do guarda gordo descendo as escadas e junto com ele, Ardras. Ardras mantém-se distante e olha-o com uma raiva nítida.
Ainda não sei o que me faz ouvi-lo Connor, talvez vc tenha algo a fazer antes que essa confusão toda termine e isso me envolva, mas são especulações sobre as estranhas vontades dos Deuses. Diga o que quer rápido, e, reze que eu considere úteis suas palavras ou então mandarei Bolaros dar-lhe dez chicotadas.

GLOIN:
Archibald interrompe o gole e quase se debruça sobre a mesa para ouvi-lo, após ouvir seus relatos ele diz:
Elfos Sombrios?? Pensei que fossem lendas do Sul, mas se as lendas são verdadeiras, realmente, precisamos nos preparar. Não sou tão simpatizante assim dos humanos como Rarurg, mas foi arriscado deixar o governante de Lubiana desacordado com um aspirante a líder do lado, vai saber se não comprou o cão adestrado do chefe da mílicia, e esse seu amigo que está com eles, é confiável??? Não preocupe-se, amanhã lhe garanto que nossos corvos voarão e que serão tantos que hão de cegar as pessoas que ousarem olhar para suas penas brancas reluzindo a luz do sol.

Náin empolgado com a possibilidade dos eventos diz:
Eu posso cuidar dos anões que patrulham a cidade e colocá-los em nossa causa, são todos ex-mineiros que conseguiram o privilégio de uma profissão menos laborosa que as minas. Aliás, se me der dois dias posso reunir todos os anões que estão nas minas tbm.

Enviado por: bcsaulo - sábado, 21 de abril de 2012 14:46:03
Quando Ardras aparece, caminho até o limite da cela e me ponho de pé "segurado" pelas grades, mostrando que não represento nenhum perigo devido minha fragilidade física. Então olho para o guarda que está com ele e digo - Prefiro que nossa conversa estivesse presente apenas nós dois. A situação é bem delicada - Espero que ele mande o guarda sair e então volto a dizer - Então capitão, fiz um julgamento errado de você. Mas eu estava sobre pressão naquele momento. E agora que pensei melhor não quero estar aqui preso enquanto as coisas se complicam lá fora. E pode acreditar tudo vai piorar, se as informações que conseguimos nas cavernas se concretizarem. Eu estou disposto a compartilhar tudo o que foi encontrado na caverna com você, nomes das pessoas envolvidas, lugares e todo o resto. Com essas informações você poderá proteger a cidade e seu governante se esse for o seu desejo, ou então ganhar muito dinheiro vendendo essas informações. Não me importo se você está do lado de Jacus, Vardem ou Rarurg, eu não tenho nenhum lado nessa história estou aqui por mim mesmo. Porém para te dar essas informações quero algo em troca - Espero a resposta de Ardras e em caso afirmativo continuo - Pois bem, primeiro preciso de um sacerdote para curar meus ferimentos, o mais rápido possível. Depois quero que devolva meus pertences. E por ultimo quero que me liberte antes do amanhecer, que é quando a caravana de Jered sairá para Seviala. Quero estar longe daqui quando as coisas acontecerem. Pense bem, não ganhará nada me mantendo como prisioneiro. Por outro lado se me libertar poderá prever os avanços de seus inimigos, sejam lá quem for.

Enviado por: Vercenorax - segunda-feira, 23 de abril de 2012 10:52:36
Pigarreio e digo:
Sim Archibald, são reais e estão nas minas. Quanto a deixar Jacus, com quem deixei, foi algo realmente arriscado, mas era preciso, eles desconfiariam se assim não o fosse. Bem Connor não é muito confiável, principalmente se estiver em situações de desespero, nesta ele pode começar a falar para que salve o pescoço, mas o que ele vai falar? De elfos aqui, e elfos ali, de uma guerra, isto quem está com ele já sabe, e a população deve fiacr alienada, pelo menos a de homens, para que o dinheiro não pere de fluir. Não, Connor, serve.

Bebo o último trago de bebida do copo e falo:
Sim Náin, faça isso, você detém grande influência sobre eles, além de sua confiança. Mas vejam, eu ainda tenho de ir a Seviala, nosso caro Rarurg, já me ofereceu uma certa quantia de ajuda sobre o sumiço do machado ancestral de meu clã, mas ainda tenho de verificar como estão as coisas, o sombrio disse algo sobre Seviala ou Fontenova, não me lembro. Agora se Rarurg me ajudar com este empecilho provendo-me um guia pelas montanhas, aí teríamos como ficar por mais tempo. O que me dizem?

Enviado por: Samyaza - terça-feira, 24 de abril de 2012 19:44:42
CONNOR:
Com um olhar e um aceno de cabeça Ardras dispensa o guarda. Ele procura um banco e o arrasta para perto de vc, ficando na parede oposta às grades, senta-se, apóia a ponta da espada no chão e encosta as mãos e o queixo no cabo.
Não sei o que suas informações podem me ser tão úteis assim para exigir suas regalias. Concedo-lhe a liberdade, se o que vc souber for-me útil, é o que posso lhe oferecer. Agora, caso negue-se a falar, tbm posso torturá-lo até que começe a falar...

Faça outro teste de persuasão.

GLÓIN:
Rarurg responde enquanto enche novamente o seu copo.
É claro que lhe cederei o guia, mas o que intenta? Vai a Seviala antes de resolver os assuntos daqui??

OFF:
Vc´s sabem do árabe? preciso voltar a narrar pro Derin, Sam e Pammala.

Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 24 de abril de 2012 21:17:19
Teste de Persuasão

[1d20]

Se eu falhar posso testar novamente, com uma dificuldade maior.

Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 24 de abril de 2012 21:27:05
Ainda segurando as grades digo em resposta - Se me torturar na situação que estou irei acabar morrendo, logo tudo o que eu sei irá para para o reino de Cruine. Acha que conseguirá algo com os anões? Se Vardem fala a verdade sobre Rarurg o que eu sei será um divisor de águas na sua batalha. Contudo, como posso confiar em você? Não tenho garantias que me deixará sair daqui vivo. Vamos fazer o acordo que propus, você me traz um sacerdote que me deixe em boas condições eu falo pra você o que eu sei, e se for de tua serventia você me solta, senão continuarei como teu prisioneiro...


Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 24 de abril de 2012 21:28:57
Off: O arabe volta a ativa amanhã acho.

Enviado por: arabedoido77 - terça-feira, 24 de abril de 2012 23:37:23
(Off: Voltei, estou de volta ao lar.)

Fico observando os procedimentos do sacerdote e à disposição caso ele precise de algo, com uma expressão de frustração no rosto. Depois que ele terminar as curas que tiver que fazer se ele oferecer alguma cura para mim, aceito. Caso contrário, fico apenas no aguardo.

No final, tento atrair sua atenção para conversar. Adianto que é sobre a pesquisa que estava fazendo no material, caso ele queira saber.

Enviado por: Vercenorax - quarta-feira, 25 de abril de 2012 10:51:26
Reclino-me para trás na cadeira e digo:
Não meu caro Rarurg, pretendo ficar até que os pilares iniciais estejam firmemente estruturados, até que esteja toda a nossa raça segura inicialmente, só aí então pretenderei ir até Seviala, mas tenho de comunicar meus companheiros disso, achar Connor e dizer a Jered que ficarei por mais alguns dias em Lubliana.

Dou uma pausa para que eles respirem e assimilem o que disse, depois falo:
Então meus amigos, o que me dizem do que propus?

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 26 de abril de 2012 13:27:00
CONNOR:
Ardras se levanta, coloca a espada na bainha e caminha em direção as escadas, antes de começar a subir, sem virar o rosto ele diz:
Tenho outras formas de conseguir informações, reze para que eu fracasse, então, pensarei em sua oferta, enquanto isso desfrute as acomodações.
Ele começa a subida gritando pelo guarda gordo.

GLOIN:
Rarurg se acomoda na cadeira e diz:
"Sabe que não confio em Vardem e muito menos em Jered, aposto que eles devem ter algum acordo nisso, não iria falar com ele, sem ter outros por perto. Quanto as suas intenções, sabe que nunca contrariei sua sabedoria, mas, além da necessidade de avisarmos a todos os anões que se preparem para a guerra, não ficou claro pra mim quais serão os próximos passos"

Archibald suspira, toma um gole e diz:
"Acho que o próximo passo seria começar a retirar esses imundos de nossas cavernas e forçá-los a falar, mesmo que sob tortura, informação, me parece ser mais poderosa do que machados nesse assunto, informação e sigilo, como ressaltou Glóin"

Náin já se levantando:
"Eu e Cletus podemos procurar seu amigo e avisarmos a este Jered sobre vc, ele fará menos perguntas se estiver conversando com pessoas antipáticas a ele, além disso, já posso no caminho ir avisando aos demais! Venha Cletus, vamos!"

PAMMALA, SAM E DERIN:
Pammala, após encerrar o tratamento em Sam o sacerdote inicia o tratamento com vc,repetindo os mesmos passos, o cheiro de incensos e do defumador além da sensação de alivio causada pelos unguentos a deixam calma e relaxada e vc cai num sono profundo e reconfortante.

Sam, Pammala e Derin, vc´s acordam sem ter noção exata de por quanto tempo dormiram. O sacerdote está sentado ao lado de vc´s, com uma expressão de preocupação:
"Desculpem-me, mas acho que temos problemas"

A porta do quarto se abre e Ardras entram por ela, do lado de fora, pelo menos 3 guardas estão aguardando:
"Até que enfim, estão melhores? Serei breve e direto, seu companheiro Connor, enquanto voltávamos para a cidade se rebelou tentanto matar Vardem e eu, por sorte consegui vencê-lo sem ter que matá-lo e agora ele é meu prisioneiro até que Jacus acorde e o julgue. Quero saber exatamente o que aconteceu nas minas e onde estão os anões que tbm voltaram para a cidade. Sejam rápidos e verdadeiros e me retirarei sem mais problemas, se eu perceber que estão tentando me enganar, levo-os presos como cúmplices do Connor e acuso-os de atentado contra o governante de Lubliama, aliás, onde está ele?"

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 26 de abril de 2012 13:41:21
Quando Ardras da as costas pra mim e se dirige a saída, grito - MERDA DE HOMEM TEIMOSO, NÃO VÊ QUE ESTÁ FAZENDO A ESCOLHA ERRADA, ESTÁ CEGO PELAS PALAVRAS DE VARDEM, SE NÃO ME LIBERTAR JACUS JAMAIS ABRIRÁ OS OLHOS... - Empurro as grades com força e ainda indignado chuto o prato e procuro um local onde eu possa me deitar e dormir.

Enviado por: Ares - quinta-feira, 26 de abril de 2012 13:44:40
Apoio a cabeça nas minha mão e tento me lembrar do que aconteceu.
-Nas minas fomos atacados por aranhas e por um elfo sombrio,após sairmos de lá chegamos ao acampamento e os elfos sombrios atacaram outra vez,com zumbis e não me lembro do que mais aconteceu.Não lembro dos detalhes,mais quanto tempo eu fiquei desacordado?
"Eu preciso achar quem matou meu mestre,não devia ter me demorado aqui."
-E a caravana? "Como se eu pudesse pegar ela neste estado.Preciso descansar,e por que aquele idiota atacou estes caras?"

Enviado por: Vercenorax - quinta-feira, 26 de abril de 2012 16:02:07
Digo a Rarurg e Archibald, enquanto aliso a barba:
O próximo passo será como disse Archibald, livrar as minas destes vermes, mas teremos de agir por etapas, um túnel hoje, um salão amanhã, e vedar com pedras e cimento* pequenas reentrâncias, eles podem se esgueirar.

* o cimento já era datado desde a Roma Antiga e como a aventura é Idade Média, penso que ainda vale.

Quando Náin e Cletus se levantam digo:
Vão, mas levem mais alguns com vocês.

Depois que eles saírem digo a Rarurg e Archibald:
Estamos na razão de 2/3 na população da cidade não é isso? Então, temos de ir agora primeiro à casa de Jacus, ver se este chegou bem e se esta sendo tratado, depois rumaremos para o Sumo-Sacerdote de Blator dentro de nossa comunidade. Alías, continua sendo Norne Cabelo de Prata o Sumo-Sacerdote?

Enviado por: †_Junior_† - quinta-feira, 26 de abril de 2012 17:51:29
[Droga, o que será que deu em Mestre Connor?! É uma pena que ele não conseguiu dar um fim em Vardem, mas porque será que ele atacou Ardras também? Será que Ardras está do lado de Vardem?]

Olho um pouco surpreso para Ardras, e não consigo disfarçar um pequeno sorriso ao ouvir que Connor tentou matar Vardem. Após isso, digo:

- O que o mestre rastreador Derin fala é verdade. E é o que eu me lembro também.

Faço uma pausa e digo:

- Sobre os anões, bem, acho que estão na sede deles, creio eu.

Faço mais uma pausa e pergunto:

- Mestre Ardras, Connor está sendo bem tratado? Sei que ele é seu prisioneiro e você faz o que bem entender com ele, mas posso ir vê-lo? Talvez levar um pouco de comida decente. Não tentarei nada, juro por Lena.


Enviado por: arabedoido77 - sexta-feira, 27 de abril de 2012 0:26:26
Viro para nossos interrogadores, sem expressar surpresa ou medo e digo:

Não tenho muito a acrescentar ao que os dois disseram. Descemos a mina, fomos atacados por aranhas gigantes e por um sombrio e resolvemos voltar devido a nossos ferimentos. O que aconteceu depois, já é sabido, que foi a luta com os outros sombrios.

Depois, baixo a cabeça de forma pensativa:

Não faço ideia de por que o Senhor Connor o atacou, falo sinceramente. O conheci naquele momento em que vim pedir a autorização para entrar na mina para procurar pelos fantasmas e lá embaixo, me lembro que ele lutou a nosso lado, sendo que foi decisivo para vencer as lutas com as aranhas e o sombrio que nos atacou lá. Realmente, não faço ideia do que se passou pela cabeça dele.

Perdoem-me se não posso ajudar com mais informações. Desde que voltamos, estou aqui tentando descobrir o que a sombria fez com o Senhor Jacus para ajudar em algo. Por acaso até ia falar sobre isso com o Sacerdote quando adormeci.

Enviado por: Samyaza - sábado, 5 de maio de 2012 20:05:13
GLÓIN:
Náin e Cletus se levantam rapidamente enquanto Cletus diz:
Não precisaremos de mais anões para encontrar um homem daquele tamanho e pelo ímpeto que demonstrou nas cavernas, vai ser fácil, é só descobrir onde está havendo alguma briga ou confusão!!
Náin apenas dá um tapa nas costas de Cletus enquanto eles saem, amigavelmente abraçados esbravejando canticos de guerra.

Archibald e Rarurg levantam-se em seguida, Rarurg já de pé toma mais um gole enquanto Archibald vai até o balcão pagar as despesas, assim que Archibald volta ele diz:
Sim, ainda é Norne e continuará sendo até que a sanidade escorra pelos seus cabelos prateados, ele quase não apresenta sinais dos muitos invernos que viveu, ainda se mantém vigoroso e tenaz, apesar das más línguas.

Rarurg diz:
Venha, vamos ver Jacus e certificarmos que tudo está bem, não deixamos nenhum dos nossos com ele para passarmos tanto tempo assim conversando. Archibald vai até Norne adiantar os assuntos e avisar aos adestradores de corvos.

PAMMALA, SAM E DERIN:
Ardras olha atentamente vc´s enquanto falam, assim que Pammala encerra sua frase ele retoma.
Não parecem estar mesmo mentindo sobre o ocorrido, mas o que sabem dos anões, e Jacus, onde está? Vardem já deveria tê-lo deixado aqui!!!

CONNOR:
Após quase uma hora da saída de Ardras, mais sons vindos pela escada, porém, algo está estranho, desta vez as vozes cantam na língua de pedra. Em pouco tempo vc vê Náin e Cletus descendo as escadas sorrindo, então Náin diz:
Veja Cletus, parece que vc estava certo!

Cletus
Eu não disse?! Só não sabia que seria tão fácil enjaular um gigante como esse.

Náin:
Meu padrinho pediu-me que o procurasse, o que aconteceu a vc? Onde está Jacus?

Enviado por: †_Junior_† - sábado, 5 de maio de 2012 20:50:41
Não me contenho e digo:

- Você deixou Jacus sozinho junto com Vardem?! Não me admira que ele não está aqui... Aquela cobra peçonhenta deve ter dado um fim no senhor Jacus!


Enviado por: Vercenorax - domingo, 6 de maio de 2012 20:13:55
Levanto-me e abrindo a porta digo a Rarurg:
Sim, vamos ver Jacus, e depois fazer o que precisa ser feito!
Saio pela porta depois de Rarurg e vou para a casa de Jacus.

(Off: Samyaza, se se incomodar com meus inventos, é só me dizer e paro com isso.Muito Feliz )

Enviado por: bcsaulo - segunda-feira, 7 de maio de 2012 8:16:21
Quando os anões aparecem levanto-me e me dirijo até as grades da cela - Vardem envenenou os ouvidos de Ardras, eu tive que combatê-lo... Me tirem logo daqui! No caminho contarei com mais detalhes - Enquanto abrem a cela vou dizendo - Quando nos separamos Vardem começou a usar sua língua, contou uma história sobre uma aliança com Rarurg, com o objetivo de tomar o poder na cidade. Rarurg seria o regente e Vardem o líder da Liga dos Forjadores. Ele se colocou como vítima e aliado de Jacus e assim conseguiu o apoio do capitão... Não tive outra escolha e quando vi que os dois estavam juntos não hesitei e ataquei, mas depois de lutar contra aranhas gigantes, zumbis, flechas elfícas e magia negra, meu corpo não aguentou. Ardras estava intacto e levou vantagem no combate, por isso estou aqui. Quanto a Jacus ficou no poder de Vardem. À proposito não receberam a mensagem que mandei?

Enviado por: arabedoido77 - segunda-feira, 7 de maio de 2012 15:07:35
Faço uma expressão pensativa e respondo:

Bem, pelo fato de ser elfa e ainda por cima ser uma maga, os anões me viram com certa desconfiança desde o início. Considero até uma vitória não ter conquistado a inimizade deles, mas o fato é que ao menos comigo, eles conversaram pouco. Ajudaram quando precisei, mas somente o que era necessário, algo compreensível dadas as peculiaridades desse povo. Sinto não poder ajudá-lo muito mais sobre isso.

Enviado por: Ares - quinta-feira, 10 de maio de 2012 19:37:17
-Eu acabei de acordar,e também não tive muito contato com os anões.Não sei.

Enviado por: Samyaza - segunda-feira, 14 de maio de 2012 21:10:22
SAM:
Nitidamente nervoso com sua provocação Ardras responde:
ORA PEQUENINO!!! NÃO PRECISARIA TER FEITO ISSO SE TEU SENHOR NÃO TIVESSE ME ATACADO DAQUELA FORMA!!! POR ACASO DEVERIA EU TER DEIXADO O SENHOR DE LUBLIAMA SOB OS CUIDADOS DAQUELE CONNOR?!?!

PAMMALA E DERIN:
Bufando de raiva, Ardras silencia um pouco, desviando o olhar para o chão enquanto pensa. Logo, começa a falar:
Vc´s estão completamente perdidos!!! Não sei como confiaram alguma coisa a vc´s!!! Estão agora sob tutela da guarda de Lubliama, e estão proibidos de sair desta casa até que eu retorne.

Virando-se para os guardas ele diz enquanto sai:
Cuidem para que nenhum deles saia daqui, alguém tem muitas coisas a explicar!

GLOIN:
Já avistando a casa de Jacus, vc´s notam Ardras galopando sozinho na direção contrária a de vc´s. Rarurg diz:
Veja Glóin, é o chefe da guarda e parece apressado, começo a pensar que demoramos demais no antro...

Logo ´vc´s estão na porta da casa de Jacus.

CONNOR:
Assustado com sua noticia Cletus diz:
Enfrentou o chefe da guarda de Lubliama sozinho? E está vivo? Melhor tirarmos vc daí antes que vc se arrependa e começe a preferir a morte...

Náin diz enquanto com um saco de moedas compra a sua liberdade:
Meu pai jamais se aliaria aquela cobra! Se o que contas é verdade, Jacus, se já não estiver morto, corre perigo maior do que os que vc disse ter enfrentado. Venha, precisamos falar com meu pai e esperar que ele tenha melhores noticias

Cletus diz:
Não fazemos idéia de que mensagem vc está falando.

´Vc´s sobem as escadas enquanto Cletus lhe consegue um manto para esconder sua identidade.

Agora vc é foragido meu amigo, prepare-se para ser caçado como um rato bêbado nas garras de um gato faminto.

Enviado por: Ares - terça-feira, 15 de maio de 2012 0:17:23
-Como se eu tivesse condições de ir a algum lugar,no estado em que estou um soco e caio no chão.
"O que será que ouve enquanto estive desacordado?Eu realmente não sei aonde esta o Connor.E preciso ir logo a Verrogar,preciso buscar justiça"

Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 15 de maio de 2012 8:15:22
Cubro meu corpo com o manto e me apoio em um deles se for possível, então digo - Me arrepender de tê-lo atacado? Me arrependo de não ter feito isso antes quando tive oportunidade... Eu escrevi algumas coisas numa caneca e pedi para um anão levar a Rarurg, mas acho que não foi uma boa ideia... E a proposito Clatus não foi facil me enjaular, Ardras saiu ferido do embate. Então acho que comparação melhor a ser feita seria um urso bebado, caçado por uma matilha de lobos famintos... Sim assim soa melhor... - Seguirei para onde me levarem.

Enviado por: Vercenorax - terça-feira, 15 de maio de 2012 10:55:09
Vendo Ardras indo digo a Rarurg:
Rarurg, não digo que demoramos, mas sim que Ardras tem pensamentos adversos aos que poderíamos querer que tivesse. Ele pode muito bem ter saído daqui. Irei enviar Röac por sobre a janela do quarto de Jacus, se Pammala estiver lá, ela saberá o que fazer.

Pego Röac e sussurro ao corvo:
O que há?

Solto-o e digo a Rarurg:
Vamos aguardar um pouco não deve demorar.

Enviado por: †_Junior_† - terça-feira, 15 de maio de 2012 13:49:27
[Acho que falei demais...]

Fico calado no meu lugar. Caso eu aviste o corvo de Gloin se aproximando, chamo Pammala e falo:

- Veja, não é o corvo do anão Gloin?

Enviado por: arabedoido77 - quarta-feira, 16 de maio de 2012 21:10:19
Respondo para Ardras, antes que ele saia:

Por favor, não me entenda mal. Não sei quais são as intrigas que aconteceram e nem considero ser algo de minha conta. Vim para investigar os boatos sobre fantasmas nas minas que preocupavam o Senhor Governante e me juntei ao grupo por segurança, caso algo acontecesse lá embaixo. E é fácil confirmar minha história, bastaria mandar uma mensagem até ele.

Ficarei aqui até que a situação seja resolvida e entendo que todos estejam nervosos com os últimos acontecimentos, mas creio que seja desnecessário uma medida extrema como nos manter presos aqui, ainda que não pretenda ir a lugar algum até que o Senhor Jacus chegue.

Enviado por: Samyaza - segunda-feira, 21 de maio de 2012 14:09:48
SAM, DERIN E PAMMALA:
Assim que Pammala termina sua fala Ardras, vira-se novamente, com a expressão séria e preocupada, começa a falar como alguém que estivesse prestes a dar xeque-mate no xadrez:
Prisão?! Acha que estou prendendo vc´s dama élfica? Não ouviu quando disse que vc e seus amigos estão perdidos?!? Uma trama está se desenvolvendo e, se as conclusões que tivemos eu e Connor estiverem certas, Jacus estará nas mãos de Vardem, agora imagine o que uma cobra como ele poderia fazer ou exigir pela segurança de nosso regente? Pra mim vc´s foram usados, para nublar a visão de quem poderia impedir o golpe. Não estou colocando-os em periugo e sim garantindo sua segurança.

Após Ardras sair Roarc pára na janela enquanto grasna:
O que há? O que há?


GLOIN:
Roarc continua parado sobre a janela sem nenhuma resposta. Rarurg continua:
Ou entramos ou seguimos Ardras, tua ave parece que não vai lhe trazer informações úteis agora.

CONNOR:
Chegando até a casa de Jacus Cletus dispara:
Mesmo nesse estado lastimável ele ainda tem senso de humor Náin! Urso bêbado, HUHUSHUahuA, não deixe Ardras saber disso.

Náin bem mais nervoso que Cletus dispara com raiva:
Quietos!! Vejam, lá estão meu pai e padrinho e ao longe o chefe da guarda, se viéssemos mais rápido, teríamos dado de frente com o infante!! Agora vamos, vamos falar com meu pai!

Enviado por: Vercenorax - segunda-feira, 21 de maio de 2012 14:40:19
Vendo que não dará resultados minha estratégia de contato assovio para chamar Röac, quando ele assenta em meu ombro digo:
Veja Rarurg, Náin e Cletus estão chegando e trazem alguém consigo, deve de ser Connor, vamos ao encontro deles e de lá, atrás de Ardras, depois iremos até Norne Cabelo de Prata.

Enviado por: Ares - segunda-feira, 21 de maio de 2012 15:22:34
"Tenho certeza que só o que ele quer é nos manter vigiados."
-Bem,se é pra nossa própria segurança tudo bem.Mas ninguém pode proibir de uma pessoa arriscar a própria vida,como meu mestre dizia:Se não errarmos não aprendemos,e só aprendendo que não cometemos duas vezes o mesmo erro.

Enviado por: arabedoido77 - terça-feira, 22 de maio de 2012 0:01:50
Perdoe minha confusão, Senhor. Creio ter entendido mal as intenções. De minha parte, pode contar com total cooperação.

Depois de Vardem ir, vou até o corvo pa ra pegá-lo e depois se ele vier, volto para escrever um bilhete:

"Vardem desconfia que Senhor Jacus e todos nós estamos em perigo. Pediu para que ficássemos na casa por segurança..

Pammala"

Nada oculto. Se Vardem ou alguém perguntar, explico sobre o corvo e a mensagem.


Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 22 de maio de 2012 8:45:29
Acompanho os dois sem nada a dizer.

Enviado por: arabedoido77 - terça-feira, 22 de maio de 2012 10:53:51
Gente, que cabeça a minha. Troquei os nomes completamente... Efeito dos remédios, disfarça.

Na postagem anterior, coloquei Vardem, mas fica aqui a errata que é para ser Ardras e não Vardem, tamto na fala como no bilhete.


Enviado por: †_Junior_† - terça-feira, 22 de maio de 2012 11:00:07
Permaneço calado, apenas concordando com a cabeça quando Derin fala.

Enviado por: Samyaza - quarta-feira, 23 de maio de 2012 14:12:22
GLÓIN E CONNOR:
Glóin e Rarurg caminham na direção oposta de Cletus, Náin e Connor. Quando se encontram Náin faz uma reverência ao pai e ao padrinho e depois fala:
Aqui está seu amigo meu padrinho, era prisioneiro de Ardras, compramos sua liberdade com o guarda que o vigiava, mas, é provável que Ardras o considere um fugitivo.

Cletus aponta aos céus mostrando Roarc que pousa no ombro de Glóin:
Pammala! Pammala! Recado!

DERIN, PAMMALA E SAM:
Apenas os guardas ficam com vc´s na entrada do quarto. Quando Pammala vai até a janela soltar Roarc ela vê 4 conhecidos anões e uma figura encapuzada com eles.

Enviado por: Vercenorax - quarta-feira, 23 de maio de 2012 14:44:15
Pego Röac e lhe pego o bilhete de entre a s patas:
“Ardras desconfia que Senhor Jacus e todos nós estamos em perigo. Pediu para que ficássemos na casa por segurança...", pelo que Pammala escreveu Jacus não está lá, Vardem deve tê-lo levado e nem mesmo Ardras sabe onde ele está, muito bem, faremos o seguinte: Connor você irá até a casa de seu pai, mas antes nos informe o nome dele, pois ainda não o sei, ficará lá arranjando informações e depois nos passará, temos Benjen entre os homens no Templo de Cruine, e os demais na casa de Jacus, pois bem. Cletus vá até seu pai e diga a ele que demoraremos um pouco, ele está com Norne Cabeleira de Prata. Náin, Rarurg e eu iremos atrás de Ardras, vamos descobrir para onde ele foi.

Dito isso me viro para a casa de Jacus dando sinal para que Pammala fique com os outros, que dará certo. Viro-me aos outros e digo:
Vamos.

Enviado por: arabedoido77 - quarta-feira, 23 de maio de 2012 15:43:02
Uma vez que esramos sozinhos, enquanto esperamos começo a escrever um relatório preliminar sobre os acontecimentos e descobertas que foram feitas até o momento, mencionando em especial as revelações do sombrio, o ataque e o sequestro do prefeito.

Se conseguir terminar ou alguém interromper, deixo guardado em meu grimório para enviar depois.

Depois, paro para descansar um pouco.

Enviado por: †_Junior_† - quarta-feira, 23 de maio de 2012 16:42:43
Apenas aguardo o que acontecerá em seguida. Comento com os outros:

- Ficaremos mesmo aqui, fazendo nada?

Enviado por: Ares - quarta-feira, 23 de maio de 2012 16:53:22
-Eu estou muito fraco para fazer qualquer coisa,sair daqui só vai atrapalhar os outros.Melhor é recuperar as energias e pensar em algo.

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 24 de maio de 2012 7:54:00
Respondo a Gloin - Meu pai chama-se Baldar, porém antes de seguir pra sua casa, passarei no templo de Cruine vou pedir auxilio de Benjen para recuperar minhas feridas. A proposito, melhor que mandem alguem atrás de Jered. Imagino que ele é o unico dos envolvidos que ainda não tem um lado na história. Quem sabe ele não levará uma encomenda ao amanhecer.

Dizendo isso vou para o templo.

Enviado por: Vercenorax - quinta-feira, 24 de maio de 2012 15:38:40
Dizendo a Connor antes de ir:
Pois bem então, mas seja cauteloso, sugiro que não use sua sutileza de auroque. Quanto a Jered, não perca seu tempo, tenho meus planos para averiguá-lo. Vamos, e que Blator nos proteja.

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 31 de maio de 2012 17:46:57
GLÓIN:
VC´s aceleram o passo tentando seguir os rastros de Ardras. Por favor faça um teste de Seguir Trilhas.


CONNOR:
A noite avança enquanto vc se aproxima do pequeno templo distante do centro da cidade. A porta do templo está fechada e não parece que estejam acesas quaisquer lamparinas.

Faça uma rolagem de 1d20 por favor.


DERIN, SAM E PAMMALA:

Pela janela vc´s acompanham a saída dos grupos, Connor numa direção, Glóin, Rarurg e Náin em outra.
Os guardas saem da porta descendo as escadas e se acomodando no saguão inferior da casa. Apenas um deles fica na porta a vigiá-los.

Derin e Sam rolem 1d20 por favor.

Pammala: súbito, um calafrio toma o seu corpo, os pêlos do seu corpo se eriçam e vc entra num transe rápido. Uma sensação de asco invade seu paladar e um silêncio sobrenatural toma o seu corpo, vc pode apenas ouvir, de forma bem fraca, como um sussurro, algumas vozes, num idioma que vc desconhece, mas o som das palavras lhe é familiar, uma conjuração. Alguém ou alguma coisa perto de vc´s está conjurando uma magia, magia profana...
avatar
Samyaza
Admin

Mensagens : 1079
Data de inscrição : 04/10/2013
Idade : 32
Localização : Franco da Rocha / SP

Ficha do personagem
Nome: Robert Locksley
Posto: Segundo Tenente
Especialidade: Franco-Atirador

Ver perfil do usuário http://vingadornegro.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum