Segunda parte - O contrato, a estranha mulher e o verrogari

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Segunda parte - O contrato, a estranha mulher e o verrogari

Mensagem por Samyaza em Dom 06 Out 2013, 23:52

Enviado por: Samyaza - terça-feira, 4 de outubro de 2011 14:08:48
SAM:

Um dos verrogaris pega a garrafa de vinho, enche o copo que segurava e então diz:

"Vá à outra mesa pequenino, fale com o homem de cabelos brancos, seu nome é Jered, ele é o chefe aqui!"

Enviado por: Maedhros - terça-feira, 4 de outubro de 2011 14:12:05
me sento mais calmo, vendo a briga resolvida e volto ao tom da voz forte, calmo e sombrio:

Sabe, Jered, coisas malignas se agitam no sul. A Muralha não é a mesma de antigamente. Somos poucos para a sina de proteger os reinos civilizados... e digo, teu reino corre perigo. Armis lhe indicou, pela experiencia em combate, que será muito necessaria agora. dou uma pausa Conhece as lendas sobre homens-lagartos ou humanóides hibridos com crocodilos das terras do extremo sul de nome Sekbts? Pois elas são bem vivas e reais e estão em seu reino. nova pausa Estava eu, vindo do sul de Eredra, quando uma estranha movimentação me chamou atenção, um tropa de seres se movimentava com agilidade e rapidez, eram Sekbts. Porém me perguntava, como tantos haviam cruzado a Muralha. E o mais curioso descobri quando os acompanhava furtivamente: eram guiados por elfos sombrios. Daí vinha tal organização. Mas o pior veu a frente, estavam indo a Verrogar. Mas na noite em que decide fazer algo, eles haviam sumido, o que é mais intrigante. O rumo da tropa estava para Seviala, a cidade dos nobres de Verrogar. Decidi avisa-los, porém ignoraram-me, dizendo ser louco. O destino deles já não me pentencia... Resolvi voltar e procurar eu mesmo, mas eles eram muitos e cai em batalha, sendo resgatado por soldados maranenses na fronteira. uma pausa, pego um copo com vinho, dou um gole e continuo Fui socorrido pelo pároco Armis que ouviu minha historia com atenção e me aconselho a procurar Irvem Calard em Seviala. Ele faria algo a respeito, e você entra aqui, caro Jered... Verrogaris são conhecidos pela arte da guerra e eu sou um só. Necessito de chegar lá, para impedir que uma chacina ocorra e que tais criaturas continuem a vagar pelo mundo conhecido.


Enviado por: Vercenorax - terça-feira, 4 de outubro de 2011 14:25:10
Me sento à mesa junto ao homem de cabelo branco e digo:
Já que sabe meu nome caríssimo gostaria de saber o seu, e o vosso sacerdote. Dou uma pausa e um gole de vinho.Mas tratemos de negociar caro amigo, vocês ao que parecem estão indo a Seviala e devo ir para lá resolver assuntos pessoais, e como viajar sozinho sempre foi infortúnio, vim com o intuito de me juntar a vocês. Mas você sacerdote diz, sekbets, elfos sombrios, estas COISAS só ouvi falar em lendas, mas ao que parece esta escória sarnenta realmente existe, mas à mim isto não diz respeito, só quero saber se aceitam minha companhia.

Enviado por: Samyaza - terça-feira, 4 de outubro de 2011 14:27:41
BENJEN:


Ao ouvir suas palavras Jered dá um suspiro, toma outro copo de vinho e então recosta-se na cadeira inclinando o corpo pra trás e cruzando as pernas:

"Meu caro sacerdote, eu, particularmente, não acredito nas lendas do sul, mas se foi Armis que me indicou a vc, ele deve ter algum bom motivo pra acredita nessa baboseira, além do mais, Verrogar esta na iminência de uma guerra declarada, um grupo desses, com certeza seria exterminado pelas tropas verrogaris. Enfim, minhas concepções sobre o possível ocorrido não vem ao caso. Posso levá-lo em segurança até Seviala, aliás, sou o único que posso atravessar a fronteira e não ser pego, tenho boa estima por ti, e permitirei que faça parte de nossa companhia até Seviala.

Mas, aviso-te, chegando lá, lhe indicarei como encontrar o tal Irvem, mas o resto será por sua conta e risco, não negocio com pessoas como ele, e não entendo porque, Armis, confia nele, um conselho de amigo, fique de olhos bem abertos, este homem é um lobo em pele de cordeiro, o respeito que ele possui foi galgado através do medo que pode causar nas pessoas e por isso alguém como ele é tolerado na região. E não me pergunte mais nada sobre ele.

Nós partiremos em dois dias, o tempo de carregarem todo o material, mas antes, preciso deixar claro algumas condições. Minha caravana é formada por homens de combate, os Cães Verrogaris, a maioria foi expulsa ou afastada por outro motivo do exército, mas esses homens lutam por mim, sua fidelidade é cmg e com mais ninguém. Vc terá apenas companhia, mas sua segurança será vc mesmo o responsável.

Enviado por: bcsaulo - terça-feira, 4 de outubro de 2011 14:28:28
Acaba de esvaziar mais um copo de vinho, junta suas armas e segue sem dizer nada para o quarto. A noite havia sido corrida mas sem a "diversão" que esperava.

Enviado por: Maedhros - terça-feira, 4 de outubro de 2011 14:36:50
Que assim seja então, Jered. Em dois dias, tempo suficiente para mim. Preciso conversar com Armis novamente. E obrigado pelo conselho.

me viro ao anão que chegou e digo:

Tudo tem seu tempo, Mestre Anão. retiro o capuz de modo a mostrar meu rosto Sou Benjen Stark, vindo da Muralha Goguistá, um abençoado por Cruine. depois dou uma olhada em gloin e digo Tua fisionomia me é diferente... não sois das terras abaixo do Denégrio, não é? Se concorda comigo diga, a pedra do norte é diferente da pedra do sul.

Enviado por: Vercenorax - terça-feira, 4 de outubro de 2011 16:21:21
Quando Jered fala, respondo da seguinte forma:
Eu aceito as condições impostas, Jered em dois dias estarei pronto.

Quando Benjen se apresenta respondo:
És sempre um honra ter em companhia um membro da Noite Eterna, e como posso constar sábio, e muito, sim caro Benjen, eu venho do norte onde a pedra é mais lapidada, sou do Clã Angrenost de Torojai no reino de Calco.

Enviado por: †_Junior_† - terça-feira, 4 de outubro de 2011 21:02:08
Após ouvir o que o verrogari me fala, corro depressa até a mesa de Jered e já chego falando, meio atropelando as palavras:

- Opa, senhor, prazer sou Sam, filho de Ben. Será que precisa de um pequenino? Posso ser muito útil. Sou veloz, ágil e...

Dou uma pausa pegando um pouco de fôlego, pois tinha falado muito rápido e depressa. Ao mesmo tempo, vou servindo vinho para todos na mesa.

Enviado por: Maedhros - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 14:11:42
E muito curioso. Tem o ouvido voltado para conversas imporatantes, pequeno. pego um novo copo de vinho que Sam trouxe Espero que não pense que aventuras são apenas riquezas e fama, há também perigos... acha que esta pronto para uma coisa destas, hobbit?

Enviado por: Vercenorax - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 14:34:06
De fato pequeno Sam, perigos e muitos pelo menor, mas nada que uma boa lãmina ou um conversa não possam resolver, mesmo na maioria dos casos sendo a lâmina que prevalece, HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA.

Enviado por: †_Junior_† - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 14:48:07
Rápido, faço uma reverência ao sacerdote ao falar comigo (coloquei os copos todos na mesa, não sou ninja) e respondo:

- Sei dos perigos também, nobre sacerdote. Mas estou ciente deles. Meu pai já me contou muitas coisas, apesar que ouvi-las antes de dormir e vivê-las é algo bem diferente. Mas estou preparado!

Depois, falo com o anão:

- Se a lâmina for a sua, nobre anão, com certeza será a que prevalecerá!

Após isso, aguardo ansioso alguma resposta de Jered.

Enviado por: Vercenorax - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 14:50:18
De fato caro Sam, HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA.

Enviado por: Samyaza - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 18:00:40
Observando a conversa dos 3, com um sorriso de satisfação Jered diz:

"Como bem falou o sacerdote, seus ouvidos são aguçados, assim como suas palavras, suponho que já esteja a par das condições da viagem, não posso garantir sua segurança, bem como a de Gloin e de Benjen, portanto, aconselho aos senhores ficarem juntos e cuidarem um dos outros, lá fora é um mundo selvagem, bem diferente do conforto das cidades e vc´s estarão viajando com os Cães Verrogaris, não pensem que seremos tão bem recebidos em todas nossas paradas como aqui.

Pequenino, seu tamanho e peso não vão influenciar muito na carga, então terás uma vaga, desde que, com o consentimento do seu pai, por quem tenho muito apreço e que serve o melhor vinho da região e não quero ofendê-lo ou contrariá-lo.


Com licença senhores, pois agora preciso me retirar e levar meus homens, antes que que não estejam mais em condições de viajar, para uma melhor viagem, eu sempre decreto de um a dois dias de reclusão absoluta, isso ajudar a deixá-los mais aguçados para os perigos e animados para o combate, o quente colo de uma mulher antes de uma viagem os deixam com as pernas moles e a cabeça nas nuvens e isso é arriscado demais para uma viagem como a nossa!"

Jered levanta-se, sorri e cumprimenta cada um de vc´s com olhar amistoso, pega uma garrafa de vinho que estava sobre a mesa e vira-se de costas em direção à porta, ao passar pela mesa com os verrogaris, seu semblante muda pra um tom sério:

"Vamos Cães, a festa acabou por hoje, temos que organizar os preparativos"

Sem dizer uma única palavra, todos levantam-se, pagam as contas e seguem Jered.




Pessoal, vc´s terão dois dias livres, se ninguém pretende fazer nada eu posso começar a partir da viagem, exceto connor que ainda tem uma ou duas cenas.

Enviado por: bcsaulo - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 19:00:18
Connor acorda com o sol já alto no céu. Lava o rosto numa bacia proxima a cama, abre as janelas do quarto deixando o ar quente entrar. Vai até a jarra de água toma um gole, verifica suas moedas, se dando conta de que não terá mais como ficar na estalagem pois depois da noitada de ontem, suas moedas mal dariam pra cobrir as proximas despesas. Despede-se de Sarana (se possível) junta sua mochila juntamente a seus pertences e desce as escadas ainda sonolendo. Chegando ao balcão onde pai de Sam, o esperava sorridente, paga pelo período que ficou na estalagem e segue para o centro da cidade.

Durante o percurso compra algumas frutas que pudessem ser comidas enquanto caminhava e pergunta aos mercadores o local onde o paroco Armis residia.

Se eu tiver uma resposta positiva seguirei a procura dele.

(O paroco mora nessa cidade não é?)

Enviado por: †_Junior_† - quarta-feira, 5 de outubro de 2011 20:52:08
[Finalmente! Vou sair de Marana!]

No dia seguinte, ao ver Connor saindo, corro atrás dele e o alcanço na rua e já falo:

- Connor, onde você está indo?

Fico caminhando um pouco atrás, com um sorriso estampado na cara.

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 9:28:42
Ao ouvir a voz peculiarmente conhecida, Connor vira-se para a figura que lhe dirigia a palavra e para de caminhar a espera do "homemzinho".

- Ao mercado comprar umas frutas, e aproveitar para caminhar um pouco, esticar os musculos, sabe? Venha comigo!

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 11:25:26
CONNOR:


Ao virar-se para aguardar o homenzinho vc nota, que de uma barraca, uma mulher com o rosto coberto por um véu que comprava algumas coisas, o observa atentamente. Fixando seus olhos nela, vc percebe uma mudança na expressão de seu rosto, fazendo-o acredita que sua boca escondia um sorriso por debaixo do véu.



SAM:

Assim que Connor vira-se pra vc, vc percebe que por alguns instantes ele olha numa outra direção, vc tbm nota a mulher e a troca de olhares entre os dois, pela estatura e o excesso de roupas, não seria Sarana, mas seja lá quem fosse, chamou a atenção de seu amigo "gigante".

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 13:30:29
Morde um pedaço da maçã que havia comprado numa das barracas de frutas, volta o olhar para pequenino, ficando com o rosto virado para a mulher de véu e sussurra para que ele escute - Sam, vê a moça de véu!? Vou abordá-la, o olhar dela me deixa intrigado. Dê a volta na barraca onde ela esta, não quero que fuja quando me aproximar.

Joga o resto da maçã, nas mãos do hobbit e então começa a caminhar ao encontro da moça.

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 15:02:39
CONNOR:

Com um olhar e andar provocativo a moça sai da barra onde estava e vai ao seu encontro, ao se aproximar, com uma voz rouca e sensual ela diz:

"Olá!"

Enviado por: Vercenorax - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 15:10:49
Mestre pode tocar a minha parte para o dia da viagem.

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 15:13:53
Ok Gloin, vou aguardar a resposta dos outros e encerrar essa cena do Connor.

Enviado por: Maedhros - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 15:18:57
Assim como Gloin, pode proceder minha parte para a viagem.

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 15:23:28
Observa-a dos pés a cabeça antes de responder - Tu me intriga ao olhar-me. Te conheço de algum lugar? Um prostíbulo ou taverna? Quem é você?

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 15:33:58
CONNOR:

A mulher não se intimida com sua forma de falar, olhando fixamente em seus olhos, ela toca em seu peito com a mão direita, como alguém que deseja verificar a rigidez dos seus músculos, com olhar de mistério sua voz rouca diz:

"Se nos conheçemos, deve ter sido de teus sonhos, pois tu ainda não possuiu o meu corpo. Quem eu sou? sou a pessoa de quem vc precisa pra realizar os seus desejos, não me permito o luxo de um nome, pois, serei aquilo que vc quiser, sei quais são teus anseios e posso realizá-los, queres viajar com os Cães Verrogaris e eu posso dar-te isso, desde que faça-me um favor..."

Enviado por: bcsaulo - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 16:31:28
Ao aproximar a mão de meu peito seguro-a pelo ante-braço - Não toque em mim, até que eu permita... [/i]- Após escutar a história da mulher, respondo - Acha que quero viajar com aquela escória verrogari? - Esboça um sorriso - [i]Porém se tu quer que te faça um favor me fale do que se trata, se for conveniente, eu aceito e você me paga por ele, afinal minha bolsa de moedas anseia por novas parceiras.

Enviado por: Samyaza - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 16:46:06
CONNOR:


Ao apertar o braço da mulher, ela esboça uma expressão de dor e prazer, como quem quer demonstrar que está gostando de ser agredida, ela desvia o olhar pro seu braço por um instante e então olha novamente nos seus olhos:

"Não me julgue como ingênua ou inimiga, sei de tua intenção, que pretendes ir com os Cães para encher sua preciosa sacola de moedas, bem como sei de teu fracasso na noite anterior, eu lhe dou a vaga na caravana, e lhe pagarei, desde que cumpra com meu interesse. Um homem fará parte da caravana, ele tbm é estrangeiro, da região mais ao sul do mundo conhecido, é um servo dos deuses, seu nome é Benjen, o mesmo que maleficamente tentou sobrepujar tua vontade, controlar tua mente e fazer-te de brinquedo da sua vontade, ele é perigoso e astuto, como vc mesmo pode verificar. Ele não deve chegar à Seviala, tão pouco deve falar com Irvem Calar, sua missão? Tire a vida de Benjen Stark e eu lhe garanto que precisa de outra sacola para carregares tuas moedas, bem como te apresentarei a todos os prazeres que a carne permite."

Enviado por: †_Junior_† - quinta-feira, 6 de outubro de 2011 22:30:08
Pego a maçã (ou os restos dela) que Connor me joga e faço exatamente como ele pediu. Dou a volta na barraca e fico um pouco afastado observando a conversa deles.

[Que mulher estranha! Ela parece está querendo seduzir Connor? Ou parece estar fazendo uma proposta? Não sei, não consigo ouvir direito...]

Fico atento à conversa.

Enviado por: bcsaulo - sexta-feira, 7 de outubro de 2011 0:26:57
- Um servo dos deuses?! É um serviço deveras perigoso e que provavelmente não será visto com bons olhos pelas Divindades, a não ser é claro por Crezir, a Sanguinária! - Pausa para pensar - Uma parte do dinheiro agora e outra quando o serviço for concluído. Afinal minha armadura é frágil, meu escudo danificado e meu machado já está gasto, além disso uma outra parte deve servir de oferendas ao templo da Impiedosa Crezir, para que sua benção/maldição recaía sobre minha lâmina tornando o combate com o sacerdote propício para sua morte.

Enviado por: Samyaza - sexta-feira, 7 de outubro de 2011 11:24:15
SAM:

por gentileza faça uma rolagem de 1d20.


CONNOR:

A mulher lhe estende a mão fechada e vagarosamente a abre, em sua mão o brilho de 4 moedas de ouro aguça sua ambição, com uma expressão de satisfação ela diz:

"Aqui está, metade do pagamento, a outra metade lhe pagarei em Seviala, onde estarei esperando para ver se cumpriu sua promessa, a caravana parte em dois dias, eles estão acampados perto da saída norte da cidade, simplesmente esteja lá, pela manhã, sua vaga estará reservada, um dos membros da caravana desapareceu, deixando uma das carroças a ser conduzida, sua chegada virá a calhar."


Após dizer essas palavras ela olha pra vc e para as moedas com a intenção de que vc as pegue logo como símbolo de que aceitou o acordo.

Enviado por: bcsaulo - sexta-feira, 7 de outubro de 2011 12:06:42
Connor coloca a mão esquerda sobre a dela, cobrindo-a completamente. Com a mão direita puxa a mulher para perto de si, baixando seu a rosto até a altura do ouvido da mesma, sussurrando com intimidação - Esteja com meu dinheiro em Seviala se não precisará rezar para mais de um deus, por que apenas um deles não conseguirá aplacar minha ira! - Após a frase terminada, passa a língua ao redor da orelha da mulher, soltando seu braço, e recolhendo as moedas para depois se afastar.

(Vou as compras agora. Já posso gastar meu real?)

Enviado por: Samyaza - sexta-feira, 7 de outubro de 2011 12:21:00
CONNOR:

Ao tocar a orelha dela, vc pode sentir o corpo da mulher tremer:
"Estarei lá, com seu dinheiro e quem sabe deixo vc passar sua língua em outras partes do meu corpo"

Ao dizer isso ela se afasta.
avatar
Samyaza
Admin

Mensagens : 1079
Data de inscrição : 04/10/2013
Idade : 32
Localização : Franco da Rocha / SP

Ficha do personagem
Nome: Robert Locksley
Posto: Segundo Tenente
Especialidade: Franco-Atirador

Ver perfil do usuário http://vingadornegro.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum